A+ / A-

Magistrados do Ministério Público em greve a 25, 26 e 27 de fevereiro

12 jan, 2019 - 20:08 • Lusa com Redação

Em causa está o descontentamento quanto à revisão do estatuto do Ministério Público, que se encontra na Assembleia da República.
A+ / A-

A assembleia de delegados do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) decidiu este sábado a convocação de uma greve para os dias 25, 26 e 27 de fevereiro, anunciou o presidente daquela estrutura, António Ventinhas.

"O dia 25 será uma greve geral, para todos os magistrados do Ministério Público, no dia 26 e no dia 27 será uma greve efetuada por distritos judiciais. O distrito judicial de Porto e Coimbra fará greve no dia 26 de fevereiro e, no dia 27 de fevereiro, irá fazer greve o distrito judicial de Lisboa e de Évora", disse António Ventinhas aos jornalistas.

Em causa está o descontentamento do SMMP quanto à revisão do estatuto do Ministério Público (MP), que se encontra na Assembleia da República, não estando excluídas mais greves, "em data a designar, consoante a evolução do processo legislativo".

Além da questão de uma eventual politização e perda de autonomia na composição do Conselho Superior do Ministério Público, estão em causa "direitos dos magistrados", apontou António Ventinhas aos jornalistas, depois da reunião de delegados, que decorreu num hotel de Lisboa.

"O próprio PSD disse que tinham de ser reequacionados os direitos dos magistrados. Além disso, existem problemas na proposta do Governo relativamente a matérias como o paralelismo, como o facto de não estar resolvida a questão dos congelamentos relativamente à carreira do MP, como questões relacionadas com o processo disciplinar", disse.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FIlipe
    14 jan, 2019 évora 01:16
    Se fossem instruir melhor os Magistrados que de Direito percebem da apanha da azeitona , fariam melhor do que de quem já mama do Estado vencimentos de Kalifas das Arábias , ainda quer aumentar a renumeração da incompetência e não ser fiscalizado superiormente , só afastam quem não pertence ao grupo Nazi hoje afirmado , tenham vergonha e trabalhem . Isto , na parte Criminal que é a maior vergonha em Portugal desde que Afonso Henriques deu nome a esta Nação .