A+ / A-

​Novo bispo do Funchal saúda madeirenses. “Conto convosco no desempenho desta missão”

12 jan, 2019 - 11:01 • Redação

D. Nuno Brás quer ser a primeira testemunha da vida nova, o Evangelho, "sempre e em toda a parte".
A+ / A-
D. Nuno Brás envia saudação aos madeirenses: "Cabe-nos a nós a missão de sermos testemunhas da vida nova que Jesus oferece sempre a todos"
D. Nuno Brás envia saudação aos madeirenses: "Cabe-nos a nós a missão de sermos testemunhas da vida nova que Jesus oferece sempre a todos"

O novo bispo do Funchal envia uma saudação especial aos madeirenses e porto-santenses. D. Nuno Brás conta com todos para o desempenho da nova missão que o Papa Francisco lhe confiou.

O até agora bispo auxiliar de Lisboa começa por dizer que recebeu a notícia “com um misto de temor e confiança”.

“Temor porque tenho consciência das minhas limitações; confiança porque sei que Jesus estará sempre comigo e não me abandonará”, sublinha nesta mensagem aos fiéis da Diocese do Funchal.

Antigo reitor do Seminário dos Olivais, diretor do Jornal Voz da Verdade e reitor do Pontifício Colégio Português, em Roma, D. Nuno Brás vai continuar o seu trabalho ao serviço da Igreja na Madeira.

“Conto convosco no desempenho desta missão: com a vossa fé, a vossa esperança e a vossa caridade”, afirma o novo bispo do Funchal.

A diocese que completou 500 anos de existência. D. Nuno Brás fala numa “comunidade marcada pela maturidade da fé e pela missão” e, agora, “cabe-nos a nós a missão de sermos testemunhas da vida nova que Jesus oferece sempre e a todos”.

“É dessa vida que o bispo deve ser a primeira testemunha. É dessa vida nova – o Evangelho – que quero dar testemunho, enquanto Deus me der forças e saúde. Sempre e em toda a parte”, sublinha o novo bispo do Funchal, que foi nomeado este sábado pelo Papa Francisco.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.