A+ / A-
EUA

"Jayme é uma heroína". Adolescente consegue fugir após meses de sequestro

11 jan, 2019 - 23:43 • Redação, com Reuters

Polícia deteve um homem suspeito de assassinar um casal para sequestrar a filha.
A+ / A-

Uma rapariga de 13 anos conseguiu fugir após três meses de sequestro, no estado norte-americano do Wisconsin. O raptor, detido esta sexta-feira pela polícia, foi também acusado de assassinar os pais da adolescente.

“A vontade de uma criança de sobreviver. É uma heroína”. É assim que o xerife do condado de Barron descreve a história de provação de Jayme Closs, que aos 13 anos viveu o que nenhum ser humano devia viver.

Jayme foi raptada em outubro do ano passado, na pequena cidade de Barron, e nunca mais foi vista. Até quinta-feira, quando conseguiu escapar da casa do homem que a sequestrou.

Dirigiu-se a uma mulher que estava a passear o cão, que a reconheceu imediatamente, uma vez que o caso teve uma grande repercussão regional e nacional.

As duas correram até à casa de um vizinho e chamaram a polícia. “Esta é a Jayme Closs! Liga para o 112", disse a mulher quando o vizinho abriu a porta.

A jovem foi encontrada na localidade de Gordon, a cerca de 100 quilómetros a norte da casa da família.

Nas horas seguintes, a polícia deteve Jake Thomas Patterson, um homem de 21 anos, que está acusado de matar os pais de Jayme para a sequestrar.

Jake Thomas Patterson vai ser julgado por dois crimes de homicídio e um de rapto, de acordo com a polícia.

O misterioso desaparecimento de Jayme desencadeou uma grande operação de busca, que envolveu 200 agentes e centenas de voluntários, mas não foram encontradas pistas.

Jayme Closs foi levada para o hospital e esta sexta-feira falou com os investigadores da polícia.

As autoridades não avançaram, até agora, pormenores sobre o estado da rapariga, as condições em que esteve nos últimos meses nem como conseguiu escapar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.