A+ / A-

Visados de reportagem da TVI avaliam processo judicial

11 jan, 2019 - 16:47 • Filipe d'Avillez

A reportagem da jornalista Ana Leal alega que existe um grupo secreto que faz terapias de reorientação sexual em Lisboa e recorre a filmagens não autorizadas para o tentar demonstrar.
A+ / A-

A psicóloga e os dois padres visados direta e indiretamente na reportagem da TVI, emitida na quinta-feira à noite, no noticiário das 20h00, e seguida de debate, não descartam a hipótese de avançar com processos judiciais contra a TVI, contra a jornalista Ana Leal e contra o autor das filmagens.

A reportagem alega ter desmascarado um “grupo secreto”, composto por psicólogos e padres católicos, com o objetivo de “curar” homossexuais.

Durante a reportagem, são mostradas imagens captadas em contexto de consulta com a psicóloga Maria José Vilaça, de direção espiritual, com um sacerdote cuja identidade não é revelada, e numa reunião confidencial de membros de um grupo de homossexuais católicos que são acompanhados por Maria José Vilaça e pelo mesmo sacerdote.

As imagens são captadas por um homem, que nunca é identificado, que terá recorrido à ajuda da psicóloga e do padre, tendo depois aderido às sessões de grupo. Durante o debate, o homem assume que o fez com intenção de obter as filmagens.

A Renascença sabe que pelo menos Maria José Vilaça, a única visada que é plenamente identificada e que aparece nas reportagens, tenciona processar a TVI e a jornalista responsável pelo programa, pela forma alegadamente ilegal como foram obtidas as imagens - sem a sua autorização - e pela forma como as suas palavras foram deturpadas.

Vilaça está a ser aconselhada por advogados sobre a melhor forma de formular esse processo judicial, mas está já decidida a apresentar queixa junto da Entidade Reguladora da Comunicação Social e da Comissão da Carteira Profissional dos Jornalistas.

A psicóloga está também preocupada com o facto de as imagens que foram captadas por um infiltrado poderem vir a ser divulgadas noutros meios, aumentando o perigo de serem identificados outros membros do grupo.

Já o sacerdote, que é filmado durante uma conversa de direção espiritual que tem lugar num confessionário - mas que não é uma confissão -, estará a ainda a ponderar se processa também a estação pelo facto de ter sido filmado sem autorização.

As reuniões de grupo decorrem numa Igreja em Lisboa, que é identificada na reportagem e aparece claramente nas filmagens. O grupo encontra-se numa sala, cedida pelo pároco, que, de resto, não tem qualquer envolvimento nos trabalhos. Esse sacerdote também estará a avaliar se processa a TVI.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 13 jan, 2019 18:15
    Caes e gatos"sem mascara ! Todos os visados " deviam acabar com esta ana leal !
  • 13 jan, 2019 17:59
    Recibo verde! Ja viu a quantidade de aldrabices e montagens"que esta ana desleal tem arranjado ultimamente! Montagens deviam ser utilizadas so em cavalaria! A palavra cura"e muito forte para ser utizada"de animo leve nem os medicos conseguem arranjar solucoes de cura"caso isso acontece-se a enfermeira prates"nao tinha partido na flor da idade!
  • Amora de Bruegas
    13 jan, 2019 Torres Novas 01:24
    Mais uma confirmação do comporamento à KGB de jornalistas e outros servos do marxismo-cultural que querem impor um pensamento único, amordaçar o Catolicismo. A democracia está funcionando como a máscara perfeita dos estalinistas que querem ressuscitar esses tenebrosos tempos.