A+ / A-

Benfica reage à decisão do tribunal no caso dos e-mails. "Agora, é hora da justiça"

11 jan, 2019 - 16:29

Em causa está uma queixa do Benfica ao FC Porto, depois dos dragões terem divulgado correspondência privada do clube encarnado no Porto Canal. Sem acordo entre as partes, o caso avança para os tribunais.
A+ / A-

O Benfica já reagiu à decisão do Triunal do Juízo Central Cível do Porto de levar o processo sobre a divulgação dos e-mails a julgamento. "Agora é hora da justiça", escreveu o clube no site oficial.

Em causa está uma queixa do Benfica ao FC Porto, depois dos dragões terem divulgado correspondência privada do clube encarnado no Porto Canal. Sem acordo entre as partes, o caso avança para os tribunais, com o Benfica a exigir ao FC Porto e ao referido canal uma indemnização de 17,7 milhões de euros por dano de violação de correspondência privada.

Na "newsletter" "Benfica News", as águias reagiram à decisão: "O FC Porto irá sentar-se no banco dos réus na sequência do processo cível movido pelo Benfica pela divulgação criminosa da sua correspondência privada no Porto Canal. Segue-se o julgamento e importa recordar que a este processo cível juntam-se outros processos interpostos contra o FCP no âmbito criminal. A hora é da justiça".

O FC Porto avançou igualmente com uma contravenção, exigindo uma indemnização de valor não divulgado. Na audência preliminar, o FC Porto esteve representado pelo advogado Jorge Cernadas e o Benfica por Gonçalo Malheiro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.