A+ / A-

Luís Montenegro avança "de imediato" contra Rui Rio que é "bengala de António Costa"

11 jan, 2019 - 16:11 • Redação, com Lusa

“Não me resigno a um PSD pequeno, perdedor, irrelevante, sem importância política e relevância estratégica”, justifica o antigo deputado e líder parlamentar.
A+ / A-

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro anunciou, esta sexta-feira, que está disponível para ser “de imediato” candidato à liderança do partido, desafiando Rui Rio a marcar eleições diretas já e a apresentar a sua própria candidatura.

“Se tem mesmo Portugal à frente de tudo, mostre coragem e não hesite em marcar estas eleições internas, não tenha medo do confronto, não se justifique atrás de questões formais, o tempo é de confronto político”, afirmou, num desafio direito ao líder do PSD, numa declaração sem direito a perguntas no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

“Estou aqui para dizer ao país que precisamos de um Governo novo e de um novo primeiro-ministro, estou aqui para ser o adversário que o dr. António Costa não teve ao longo do último ano”, afirmou.

Para o antigo líder parlamentar, o confronto com Rio “não é um combate pessoal, mas um confronto entre duas estratégias”.

“De um lado, Rui Rio com a ideia de um partido pequeno, perdedor, satélite de António Costa, sem agenda reformista, do outro, a estratégia que defendo, assente na ideia de um PSD grande, ganhador, com vocação maioritária, autónomo do PS, independente e crítico do primeiro-ministro António Costa”, definiu.

A dois dias de Rio completar um ano de mandato, Montenegro fez um balanço muito crítico, considerando que o estado a que o PSD “é mau, é preocupante e é irreversível com esta liderança”.

“O Dr. Rui Rio prometeu fazer do PSD uma alternativa de oposição firme ao Governo e falhou”, afirmou, considerando que os portugueses têm assistindo no último ano “a um desfile de António Costa” e apenas vêem “um PSD frouxo na oposição”.

“Não há uma crítica do dr. Rui Rio ao dr. António Costa, tal como preveni no Congresso, esta estratégia colocou o PSD como muleta do PS e Rui Rio como bengala de António Costa”, argumentou.

Para o antigo líder parlamentar do PSD, Rio falhou também no desafio de unir o partido.

“Além de falhar, foi instigador do confronto interno, hostilizando quadros e estruturas do PSD numa lógica maniqueísta e de divisão entre bons e maus, o que é inadmissível”, criticou.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro
    11 jan, 2019 Porto 18:49
    Com certeza que o Sr Rui não gostou da honestidade do Primeiro Ministro que tirou Portugal da bancarrota. Um dos problemas da paf foi o de se chamar paf, ou seja, o Sr Passos Coelho sempre colocou Portugal À Frente e por isso perdeu muitos eleitores e mesmo ganhando as eleições, os tugas preferiram meter no governo um pantomineiro ilusionista. O Sr Rui Rio estudou no Colégio Alemão e então ouviu falar num tal SPD e então pensou, erradamente, que PSD é o mesmo que SPD! O SPD de Portugal é o PS! Por isso Rui Rio nunca irá retirar eleitores ao PS. Sabendo deste virar à esquerda do PSD o mais certo é que perca a ala da direita para o partido Aliança. Por isso o Sr Rui Rio está equivocado na sua estratégia para as eleições! O PSD não pode ter vergonha do que é. O PSD foi essencial para a estabilidade política nos finais dos anos 80 e princípios de 90. Foi com as maiorias absolutas de Cavaco Silva que este país conseguiu algum progresso. Mas logo vieram os anos "cor-de-rosa" de Guterres que depressa se transformaram no pântano e então mais uma vez lá teve que vir o PSD resolver a situação com o governo de Durão Barroso. Depois veio a habilidade constitucional do Sr Sampaio que mesmo contra a Constituição que diz com clareza que não podendo o Primeiro Ministro exercer o cargo, deve dissolver a AR e convocar eleições, permitiu que o Sr Santana Lopes tomasse posse deixando "cozer em lume brando" até à estucada final, quando o PS estava preparado para ganhar. Depois foi o que se viu...
  • Rui
    11 jan, 2019 Lisboa 18:05
    A paf no seu melhor e no meio de tanto anúncio ainda sem ser nada avisou que está contra as feiras da ladra digitais.
  • fanã
    11 jan, 2019 aveiro 18:02
    E este SR. , é a bengala de obscuros desígnios , orquestrados por ultraliberais e a alta finança .
  • cidadoa
    11 jan, 2019 17:13
    E preciso sim!
  • Cidadao
    11 jan, 2019 Lisboa 17:01
    E depois de recuar no último Congresso, decidiu avançar agora, logo agora que o Rui Rio vai elaborar as listas de novos deputados às leições Europeias, Regionais e Legislativas e quatro quintos (4/5) dos Passistas que lá estão agora, vão para o Desemprego, que pelos vistos, eles não vêem como uma oportunidade, nem como uma saída do seu lugar de conforto, nem tão pouco como um convite a "emigrarem". Vêem-no como ele é: DESEMPREGO!