A+ / A-

PSD. "Vice" acusa Montenegro de “golpe de Estado” e assegura que vai cumprir estatutos "à risca”

11 jan, 2019 - 14:41

A vice-presidente do PSD Isabel Meirelles toma posição a poucas horas do anúncio de Luís Montenegro. “É um grito de desespero para manter o poder, acusa.
A+ / A-

A vice-presidente do PSD Isabel Meirelles acusa Luís Montenegro de tentar fazer um “golpe de Estado” que prejudica o partido e o país e assegurou que a direção tenciona fazer cumprir “à risca” os estatutos do partido.

“O dr. Rui Rio foi eleito por 22.500 militantes, com 54% dos votos. Entretanto, desde há cerca de um ano entraram seis mil novos militantes. Aquilo que se está a pretender fazer é um golpe de Estado no PSD”, acusou Isabel Meirelles, em declarações à agência Lusa.

Poucas horas antes de o antigo líder parlamentar do PSD fazer uma declaração - onde deverá anunciar a sua disponibilidade para ser candidato à liderança e pedir eleições diretas antecipadas -, a dirigente social-democrata antecipa que se Montenegro fizer pelas 16h00 “um desafio à direção de Rui Rio será um exercício de oportunismo descarado e de quem quer assegurar a sua própria sobrevivência e da clique que o rodeia”.

“É um grito de desespero para manter o poder, os lugares. Parece-nos horrível, pela sede de poder não vale tudo, não vale destruir o partido e dá-lo de bandeira à maioria de esquerda e prejudicar o próprio pais”, criticou.

Isabel Meirelles sustentou que a atitude de Luís Montenegro demonstra até que “não se respeita a si próprio”, invocando declarações feitas pelo antigo deputado em fevereiro do ano passado, segundo as quais nunca seria oposição interna a Rio, e, em setembro, contra a realização de um Congresso extraordinário e a mudança do líder do PSD antes das legislativas.

“Alguém que quer confrontar António Costa usa a mesma ideia de ilusão e de mentira, que é dizer uma coisa e fazer outra. Isto mostra o caráter de uma pessoa que não tem ética nem para liderar uma Junta de Freguesia, quanto mais o partido”, critica.

A dirigente do PSD questiona ainda quais os fundamentos para esta decisão do antigo parlamentar, acrescentando que, se for pelas sondagens, estas já se enganaram no caso de Rui Rio na Câmara do Porto e até do anterior líder Passos Coelho nas últimas legislativas.

“Achamos que mostra uma falta de respeito pelo partido, pelo país, pelos companheiros que foram legitimamente eleitos e uma falta de caráter que os homens que querem ser homens de Estado devem ter e que aqui não vemos”, disse.

Questionada sobre o que fará a direção perante o provável desafio de convocação de eleições antecipadas, Isabel Meirelles remeteu para os estatutos do PSD.

“Nós cumprimos os estatutos e, portanto, tudo aquilo que for feito vai ser feito segundo os estatutos do PSD. Vamos segui-los à risca, é isso em que se baseia um dos princípios do Estado de Direito e dos partidos que funcionam como tal, que é cumprir o princípio da legalidade. Portanto, os estatutos têm de ser respeitados”, afirmou, sem querer acrescentar mais comentários sobre esta matéria.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    12 jan, 2019 Lisboa 11:37
    Golpe de Estado, não sei se é. O que sei é que é uma tentativa desesperada do Passismo para manter os lugares na AR e os tachos que detêm, pois o Montenegro e a claque Passista, já perceberam que nas listas que o Rui Rio vai elaborar para as Eleições que aí vêm ... eles não constam, e para eles que nada fazem senão política, o Desemprego não é uma oportunidade, e sair da zona de conforto e emigrar, dá pesadelos. Aliás, basta ouvir o discurso vazio do LM para ver que ele não tem qualquer plano de fundo, ideia propria, ideia para o País, nada de nada. É uma série vaga de trivialidades e lugares comuns, onde mal disfarça que o quer é defender o tacho, dele, e da claque Passista. O País precisa dum PSD forte para tirar do PS do paraíso onde tem estado. Mas não é com este oportunista tipo António Costa versão 2, que o PSD volta a ser forte. Este LM já o topámos à légua e sabemos ao que vem. E não vem pelo País, podem crer ...
  • Joaquim
    11 jan, 2019 Beja 18:58
    A Sra Meireles está equivocada, o golpe de estado foi em outubro de 2015!! O que o Sr Luís Montenegro está vá fazer é colocar o PSD no lugar que lhe pertence. O PSD é o único partido de Direita que pode salvar o país das asneiras da extrema esquerda que se empolreirou no poder!! Com Luís Montenegro voto PSD, com Rui Rio voto Aliança!