A+ / A-
PSD

Mota Amaral acusa Montenegro de beneficiar o PS

11 jan, 2019 - 14:03 • Eunice Lourenço

Ex-líder parlamentar desafia Rui Rio para eleições diretas.
A+ / A-

Veja também:


Mota Amaral acusa Luís Montenegro de estar a beneficiar o PS ao tentar interromper o mandato de Rui Rio. Montenegro, ex-líder parlamentar do PSD, tem uma declaração marcada para esta sexta-feira, às 4 da tarde, onde irá desafiar Rui Rio para umas eleições diretas.

No domingo, Rio completa o primeiro de dois anos de mandato como presidente eleito do PSD.

Em declarações à Renascença, Mota Amaral, o histórico social-democrata que governou os Açores, defende que o PSD precisa de estabilidade e que os mandatos são para serem cumpridos.

“Os partidos políticos e o PSD em concreto precisa de estabilidade para cumprir bem as tarefas que lhe incumbem neste ano eleitoral com três eleições importantíssimas, umas a seguir às outras”, começa por dizer o antigo presidente do Parlamento, para quem “os mandatos são para se cumprir e o mandato da atual comissão política está longe de estar esgotado”.

“Qualquer iniciativa para promover a sua interrupção fora da normalidade estatutária é uma perturbação desnecessária para o PSD e que beneficia a campanha que o Governo e o PS têm curso para se instalarem ainda mais confortavelmente no poder”, acusa Mota Amaral, que no ano passado apoiou Rui Rio contra Santana Lopes, nas diretas de 13 de janeiro.

Quanto às razões para Montenegro avançar agora, Mota Amaral diz que não faz ideia, mas acrescenta que o ex-líder parlamentar do PSD estará “a ser pressionado pelos insatisfeitos”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.