A+ / A-

PSD. Montenegro vai desafiar Rio para eleições diretas

10 jan, 2019 - 16:45 • Paula Caeiro Varela

Anúncio de Luís Montenegro marcado para sexta-feira. Miguel Morgado também admite a possibilidade de avançar com um candidatura à liderança, caso haja eleições diretas.
A+ / A-

O ex-líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, vai desafiar a Rui Rio a convocar eleições diretas no partido.

Montenegro marcou uma conferência para as 16h00 de sexta-feira, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, para anunciar que avança para o ataque direto ao poder no PSD.

O social-democrata de Espinho - o único militante a avançar, no último congresso, com uma declaração explicita de oposição a Rui Rio - tem vindo a preparar o terreno. Na quarta-feira, no programa semanal que tem na TSF, disse que o PSD tem de mudar e pré-anunciou que diria algo em breve.

Está marcado o lugar e a hora para dizer. Ao mesmo tempo, está em curso um processo com vista à convocação de um Conselho Nacional extraordinário do partido para apresentação de uma moção de censura aos órgãos dirigentes.

Morgado também pode avançar

O deputado Miguel Morgado, um dos homens mais próximos de Passos Coelho, admite, entretanto, a possibilidade de avançar com um candidatura à liderança, caso haja eleições diretas.

Morgado sublinha, todavia, que respeitará todas as decisões que foram tomadas pelo Conselho Nacional do partido.

[notícia atualizada ás 17h10 com posição de Miguel Morgado]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge
    11 jan, 2019 Seixal 18:03
    Cuidado, os pafalhados que nestes últimos anos têm andado escondidos voltam a atacar. Se a seita dos incompetentes voltar ao poder os reformados, funcionários públicos e afins que se cuidem, para agrado dos filisteus cá do burgo.
  • Mourisca
    11 jan, 2019 Braga 14:17
    Porque o Sr. Montenegro não se candidatou na altura das eleições para o lugar do Dr. Rui Rio? Espero que esse cavalheiro perca, estou farta de aldrabices no PSD. É altura de mandar esses senhores que só querem "tachos"embora.
  • filisteu
    11 jan, 2019 lisboa 10:01
    Este governo tem vários rabos de palha e agressão contra eleitores,após as ligeiras reversões.O PSD mudo e calado assiste ás agressões contra o povo sem replicar é conivente ou parece ser.Este líder não está á altura do maior partido com representação parlamentar e submete-se a quem traiu o 25 de abril e 25 de novembro 1975.Temos supostamente um governo comunista para consumo interno e de economia de mercado para consumo externo mas com freios ao aumento de investimentos e crescimentos das empresas.Logo a curto prazo entraremos em mais uma bancarrota socialista,bloqista e comunista.Nesta o PS tem companhia e ficaremos pior que CUBA ou Venezuela.A ver vamos.
  • Petetvlg
    11 jan, 2019 Trofa 09:34
    Rui Rio esta a acabar com alguns tachos e os "delfins" estão a revoltar-se. Com a comunicação social a ajudar, de certo devem estar lembrados, que na primeira eleição para a CM Porto, Rui Rio estava extinto, pela comunicação social, e...Ganhou. Rui Rio é necessário ao PSD, é o único , nesta altura, de colocar o PSD no caminho da vitoria
  • Filipe
    10 jan, 2019 évora 22:17
    Todos os que temem ficar desempregado e nada mais sabem fazer estão a lançar as boias de salvamento .
  • Cidadao
    10 jan, 2019 Lisboa 19:55
    Um dos mais destacados elementos colaborantes no abandono da Social-Democracia, e fervoroso adepto do ataque a tudo o que é Serviço Público e da deriva direitolas dos tempos tenebrosos da PAF. Foi um dos que andou pelo País inteiro em road-show após as Legislativas de 2015, a tentar mobilizar as pessoas contra o governo da "geringonça", tentativa completamente falhada, aliás. O tradicional eleitorado PSD compõe-se de pequenos patrões e pequenos empresários, largas franjas da Função Pública e classe média, e claro, boa parte de Reformados e Pensionistas. Ou seja, os que levaram "mais porrada" em 4,5 anos de governo do Passos Coelho e seus apaniguados entre os quais este mânfio. Por causa disso, nas eleições seguintes, o PSD teve uma fuga maciça de votantes a partir dos 55 anos e nos meios urbanos onde predomina a Função Pública - governar contra as pessoas, costuma dar maus resultados nas eleições, onde afinal o "lixado" não foram as eleições, mas o PSD. O regresso deste tipo marca o regresso dessa política, e o Costa, esfrega as mãos de contente, pois finalmente volta a ter um "inimigo" e um "papão" para assustar as pessoas: a PAF quer voltar.
  • Rui
    10 jan, 2019 Lisboa 19:04
    Começou o assalto ao PSD parte dois.
  • Eborense
    10 jan, 2019 Évora 17:46
    Mais um golpista! O outro, de golpada em golpada, conseguiu chegar a 1ª Ministro, mas este duvido!