A+ / A-

PGR: "Desengane-se quem ache que o combate à criminalidade económica e financeira esmorecerá"

07 jan, 2019 - 15:37 • Lusa

Amadeu Guerra tomou posse como diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal.
A+ / A-

A procuradora-geral da República enalteceu esta segunda-feira a competência de Amadeu Guerra, que esta segunda-feira tomou posse como procurador-geral distrital de Lisboa, e lamentou não ter permanecido como diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal.

No discurso de tomada de posse de Amadeu Guerra, Lucília Gago enalteceu as qualidades organizativas e competência do magistrado do Ministério Público, lamentando que não tivesse havido recetividade para ser reconduzido no cargo de diretor do DCIAP.

Contudo, a procuradora deixou alguns avisos, dizendo para se desenganar quem achar que o combate à corrupção esmorecerá", lembrando que houve no DCIAP um "robustecimento do desempenho da magistratura" do MP.

"D. Será necessariamente dada continuidade a este trabalho numa trajetória, não só de consolidação dos avanços alcançados, mas também de progressão", disse.

Lucília Gago deixou ainda uma palavra de apreço a Maria José Morgado, que se jubilou, dizendo que foi uma procuradora que demonstrou ser "combativa e entregue à causa pública".

Por seu lado, Amadeu Guerra começou por agradecer a sua escolha para o lugar ao Conselho Superior do Ministério Público, dizendo que hoje "termina um caminho difícil e de muita responsabilidade de empenho que durou seis anos".

Amadeu Guerra entusiasmado

Após agradecer à antiga PGR Joana Marques Vidal e à atual o reconhecimento do seu trabalho, Amadeu Guerra disse que iria abraçar o novo desafio "com muito entusiasmo" e consciente de que recebia "uma casa arrumada", numa referência ao trabalho feito por Maria José Morgado.

Amadeu Guerra, de 58 anos, natural de Tábua, distrito de Coimbra, foi eleito com 12 votos favoráveis e sete contra do CSMP, vencendo a lista apresentada por Lucília Gago.

Depois de seis anos à frente do departamento do MP que investiga a criminalidade mais grave e violenta, Amadeu Guerra começa agora uma comissão de três anos à frente da PGDL.

No final da cerimónia, que decorreu no Tribunal da Relação de Lisboa, Lucília Gago, Amadeu Guerra, a ministra da Justiça e Maria José Morgado não quiserem falar com os jornalistas.

O Conselho Superior do Ministério Público deverá escolher o sucessor de Amadeu Guerra na reunião do dia 10.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • lv
    07 jan, 2019 Loures 15:51
    Que a Vidalha II mostre mais serviço e menos propaganda!