A+ / A-

Brasil. Mais de 100 detidos em onda de violência no Ceará

06 jan, 2019 - 14:33 • Redação

Segurança foi reforçada este domingo. A polícia já registou mais de 90 ataques.
A+ / A-

Há cinco dias que o estado do Ceará, no Brasil, enfrenta uma onda de violência. Foram incendiados carros e autocarros, prédios públicos e estabelecimentos comerciais vandalizados e até houve uma tentativa de explosão de um viaduto.

A polícia já registou mais de 90 ataques e pelo menos 103 pessoas foram detidas. Tinguá, Pacatuba, Horizonte, Maracanaú, Fortaleza, Caucaia, Pindoretama e Eusébio são as cidades mais afetadas pela violência.

Na quinta-feira, o Palácio Municipal da Prefeitura de Cámara da cidade de Maracanaú teve uma sala invadida e incendiada.

Neste domingo, três centenas de agentes foram mobilizados para o estado do Nordeste do Brasil. "Contamos com um reforço de 300 homens da Força Nacional com 30 viaturas, 100 agentes militares, 50 policiais do Núcleo de Operações Especiais dos Estados e um helicóptero, com duas equipas de apoio aéreo e equipamento de busca nocturna", disse André Costa, secretário da Segurança do Ceará, André Costa, ao site de notícias brasileiro G1.

Os analistas suspeitam que os ataques podem ser uma represália contra as declarações do novo secretário de Administração Penitenciária (SAP) do Ceará, Luís Mauro Albuquerque, que disse que irá endurecer regras nos presídios para combater facções criminosas neste estado brasileiro.

Esta é a primeira grande crise de segurança pública a eclodir no governo Bolsonaro, que não tem o dever constitucional de intervir na segurança, mas fez do tema bandeira eleitoral.

A gravidade da situação é tal que levou o governador Camilo Santana, do PT, a solicitar apoio de Sérgio Moro, o super ministro da Justiça e Segurança. Bolsonaro veio dizer que, apesar do Estado ser PT, não fará oposição ao povo.

Esta vaga de violência no Ceará é o primeiro teste à cooperação com um governo estadual do Partido dos Trabalhadores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Nuno MARQUES
    08 jan, 2019 Ronfe 14:23
    Gosto muito da renacença