A+ / A-

Parlamento venezuelano diz que novo mandato de Maduro é "ilegítimo"

05 jan, 2019 - 20:25

Órgão é controlado pela oposição, mas a posição é simbólica porque é a Assembleia Constituinte que tem o poder efetivo.
A+ / A-

O Parlamento da Venezuela, controlado pela oposição, declarou este sábado, que o novo mandato de Nicolás Maduro é ilegítimo.

Os deputados classificaram o presidente de "usurpador".

No entanto, a decisão é simbólica, porque desde Hugo Chávez que a Assembleia Constituinte, eleita após eleições realizadas em 2017, é um órgão hierarquicamente superior ao Parlamento, eleito em 2016.

"Reafirmamos a ilegitimidade de Nicolás Maduro (...). A partir de 10 de janeiro estará a usurpar a Presidência e, consequentemente, esta Assembleia Nacional é a única representação legítima do povo", disse o novo presidente do Legislativo, Juan Guaidó, após tomar posse do cargo.

Maduro, de 56 anos, foi reeleito no dia 20 de maio depois das eleições antecipadas pela Assembleia Constituinte, órgão na prática substituiu o Parlamento.

Foi eleito com 67,8% dos votos, segundo os contestados resultados oficiais — acumulando todos os poderes e com o controlo quase absoluto das rédeas do país, embora este esteja a sofrer a maior crise económica e social de que há memória no continente e a maior diáspora da história latino-americana.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.