A+ / A-

Estão a aumentar os episódios de urgências hospitalares

04 jan, 2019 - 16:02 • Manuela Pires

São os efeitos do frio de janeiro. Maior parte das pessoas queixa-se de sintomas gripais. Mais de 10 mil tiveram infeções respiratórias.
A+ / A-

Veja também:


As constipações e as gripes estão a levar muitas pessoas a procurar tratamento nos hospitais e centros de saúde de todo o país. Segundo o boletim diário da plataforma Saúde Sazonal, o número de episódios de urgências hospitalares tem vindo a aumentar.

No dia 2 de janeiro, o último dia referenciado nesta plataforma da Direção Geral da Saúde (DGS), mais de 20.500 pessoas foram às urgências com sintomas gripais. Destas, cerca de 12 mil foram diagnosticadas com infeção respiratória.

Isto, em Portugal Continental, onde, feitas as contas, o tempo médio de espera entre a triagem e o atendimento dos doentes foi de uma hora e um quarto.

Refira-se que no dia 1 de janeiro, apenas um dia antes, o número de urgências foi de 16 mil – ou seja, menos quatro mil casos. O mesmo número foi registado no dia 31 de dezembro.

Já nos centros de saúde, também devido a problemas associados ao frio, as consultas não programadas têm vindo a aumentar nos primeiros dias de janeiro.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo, há registo de mais de 18 mil idas ao médico; na região Centro, cerca de 15 mil e, no Norte do país, mais de 35 mil consultas não programadas.

No dia 31 de dezembro, ainda na região Norte, tinham sido quase quatro mil e no Centro duas mil. Os seja, em apenas dois dias houve um grande aumento do número de casos.

Se compararmos com anos anteriores, é possível verificar que houve uma diminuição dos casos.

Em dezembro de 2017, o registo existente é de mais de 577 mil episódios de urgência e, em 2018, 565 mil.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.