|
A+ / A-

​Sindicato dos Enfermeiros Portugueses marca greve para janeiro

19 dez, 2018 - 18:11 • Lusa

Paralisação agendada para a quarta semana do mês.

A+ / A-

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) marcou uma nova greve nacional de quatro dias, em janeiro, para exigir ao Governo decisões sobre a progressão na carreira, reclamadas por aqueles profissionais de saúde.

"Será uma greve nacional de quatro dias, a concretizar na quarta semana de janeiro, de forma desconcentrada no âmbito regional das ARS [Administrações Regionais de Saúde] e em todos os dias haverá expressão de rua", disse aos jornalistas José Carlos Martins, presidente do SEP.

A greve será convocada para exigir que o Governo "emita orientações para a justa contagem dos pontos para efeitos de progressão e pague o suplemento [remuneratório] a todos os enfermeiros especialistas", adiantou o dirigente do SEP.

Em declarações à margem de uma reunião que hoje juntou, em Coimbra, cerca de uma centena de dirigentes e delegados sindicais, José Carlos Martins avisou que "para uma negociação séria das questões da carreira é determinante que estas questões estejam resolvidas e intolerável que o Governo não resolva".

A Comissão Negociadora Sindical dos Enfermeiros (CNESE), composta pelo SEP e pelo Sindicato dos Enfermeiros da Região Autónoma da Madeira (SERAM), já tinha rompido negociações com o Governo na terça-feira.

O SEP não tem relação com a greve cirúrgica que decorre desde 22 de novembro e se prolonga até ao final do ano, afetando as cirurgias programadas nos blocos operatórios de cinco dos principais hospitais do país.

Na terça-feira, a Federação Nacional dos Sindicatos dos Enfermeiros (FENSE) cancelou, por sua vez, uma greve marcada para os dias 26, 27 e 28 de dezembro.

A ministra da Saúde recebe os sindicatos de enfermeiros na sexta-feira.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Faria
    19 dez, 2018 Feira 21:12
    Assim como os enfermeiros eu também digo BASTA! Já chega de greves!