A+ / A-

Bombeiros Profissionais defendem CDOS no acidente com helicóptero do INEM

17 dez, 2018 - 22:30 • Hugo Monteiro, com redação

Fernando Curto refuta “todas as críticas que são feitas aos operadores” e aconselha a NAV a rever lista de números dos Comandos Distritais de Operação e Socorro.
A+ / A-

O presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais recusa que os telefonemas da NAV - Empresa de Navegação Aérea não tenham tido resposta por parte dos operacionais de três Comandos Distritais de Operação e Socorro (CDOS).

Em causa está o acidente com o helicóptero do INEM, no passado sábado, em Valongo, que fez quatro vítimas mortais.

Em declarações à Renascença, Fernando Curto diz esperar que o inquérito anunciado pelo ministro da Administração Interna traga conclusões importantes para perceber o que se passou durante as operações de socorro.

No entanto, o presidente da Associação de Bombeiros Profissionais aconselha a NAV a verificar os números de telefone que dispõe, uma vez que os operadores estão de serviço 24 horas por dia e é impensável não terem recebido as chamadas.

“Nós refutamos todas as críticas que são feitas aos operadores dos CDOS, porque é quase impensável que um operador do CDOS não receba qualquer pedido de socorro. Era importante que a NAV ou quem telefonou os CDOS que revissem os números porque, porventura, são números administrativos e não são os números dos operadores que estão 24 horas de serviço. Recuso-me a acreditar que os CDOS não tenham recebido qualquer informação porque estão de serviço 24 horas por dia”, afirma Fernando Curto.

A Associação Nacional de Bombeiros Profissionais espera que o inquérito anunciado pelo ministro da Administração Interna traga conclusões importantes para perceber o que se passou. Até lá, recusa que os bombeiros sejam bodes expiatórios.

“Espero que o relatório possa clarificar esta situação. Os CDOS e os bombeiros não podem ser bodes expiatórios de um processo onde, para nós, não houve qualquer comunicação e, se houve, era importante que nós reportássemos a fita do tempo para ver, efetivamente, o que aconteceu”, sublinha Fernando Curto.

O relatório da Proteção Civil deverá ser divulgado até esta terça-feira. O documento deverá permitir perceber a razão do longo período de tempo que separou o acidente e a operação de socorro, disse à Renascença o secretário de Estado da Proteção Civil, Artur Neves.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lurdes
    18 dez, 2018 Lanhoso 10:26
    Nas entre linhas podemos ficar a saber que existem números de telefones que foram disponibilizados à NAV que não estão disponíveis 24 horas por dia. O que quer o Sr. Fernando Curto quer dizer com "números administrativos"?? Quer dizer que o CDOS a partir das 16 horas já não atende chamadas?? Temos de ligar para o telemóvel do chefe?? Por acaso é interessante essa ideia... Eu preciso de uma ambulância, e ligo para os bombeiros e ninguém atende. Então depois da tragédia alguém vem dizer, " ah e tal, você ligou para a secretaria, tinha de ligar para o bombeiro que estava de serviço!" E esta hein?!