|
A+ / A-

Transtejo. Dezenas de pessoas recusaram abandonar barco sobrelotado no Seixal

11 dez, 2018 - 09:29

A Polícia Marítima está no local a tentar normalizar a situação.

A+ / A-
Dezenas de pessoas invadem barco que faz ligação Seixal-Lisboa
Dezenas de pessoas invadem barco que faz ligação Seixal-Lisboa

A circulação de barcos entre Lisboa e o Seixal esteve suspensa devido a episódio de "rebelião" no terminal do Seixal. Dezenas de pessoas invadiram um barco da Transtejo, impedindo a embarcação de sair por excesso de passageiros.

As pessoas entraram pela zona de saída da embarcação, que faz a ligação Seixal-Lisboa, recusando-se a sair.

A Polícia Marítima está no local "a tentar acalmar os ânimos das pessoas que querem ir trabalhar e não conseguem porque o barco não pode sair por excesso de pessoas", disse fonte oficial à agência Lusa.

Um passageiro contou que chegou à estação fluvial do Seixal antes da 7h45, que o barco das 8h10 foi suprimido e quando chegou a embarcação das 8h30 já estavam pessoas de dois barcos no seu interior.

Transtejo reforça ligação Seixal-Lisboa

"Neste momento, penalizando a ligação de Cacilhas, desviámos um navio para reforço, o que é muito penalizador para os passageiros de Cacilhas. Contudo, o que podemos garantir é que os passageiros estão a ser transportados em segurança e nenhum fica em terra", disse à agência Lusa a presidente da Transtejo/Soflusa.

Marina Ferreira explicou que, no domingo, houve um problema com o catamarã que faz a ligação ao Seixal. "Desde então a ligação está a ser feita com um catamarã em vez de dois, o que está a provocar atrasos no embarque, com especial relevância durante a hora de ponta. Estamos a fazer tudo para repor a situação o mais rapidamente possível. Esperemos fazê-lo com dois catamarãs na quinta-feira", disse.

Esta manhã, dezenas de passageiros passageiros que invadiram através da porta de saída um dos catamarãs que tinha chegado de Lisboa, excedendo a lotação, que é de 450, o que levou a Polícia Marítima a impedir a saída da embarcação por razões de segurança.

"Isto provocou alguma tensão no terminal. Até que a segurança fosse assegurada o navio não pôde partir, o que fez com que os passageiros que iam chegando à estação ficassem exaltados", disse.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    11 dez, 2018 Viseu 14:40
    O governo social-comunista vive numa redoma e não se interessa em conhecer e resolver os pro-blemas das pessoas...mais necessitadas! Nunca houve tantas greves em Portugal.
  • João Lopes
    11 dez, 2018 Viseu 10:30
    O governo social-comunista vive numa redoma e não se interessa em conhecer e resolver os pro-blemas das pessoas...mais necessitadas! Nunca houve tantas greves em Portugal.