A+ / A-

Prestes a ser preso, ​Armando Vara acusa juiz Carlos Alexandre de "vingança"

11 dez, 2018 - 01:10

Antigo ministro considera que foi alvo de um “brutal erro judicial”.
A+ / A-

Veja também:


O antigo ministro Armando Vara, que pode começar a cumprir pena de prisão a qualquer momento, acusa o juiz Carlos Alexandre de “perseguição” e “vingança”.

Em entrevista à TVI, Armado Vara argumenta que está a ser vítima de um “brutal erro judicial”, ao ser condenado a cinco anos de prisão efetiva no processo Face Oculta.

“Isto foi desde o princípio, do ponto de vista do Ministério Público, uma perseguição, a que se juntou o juiz Carlos Alexandre”, acusa o antigo ministro socialista.

O ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos e ex-vice-presidente do BCP considera que Carlos Alexandre foi movido por "vingança".

“Estou convencido que a maneira como chamou a si os dois processos, Marquês e Vistos Gold, tem a ver com essa lógica de vingança”, frisou.

Nesta entrevista à TVI, Armando Vara levanta suspeitas e fala num pedido para ajudar Carlos Alexandre.

“Pergunto-me a mim mesmo, como teria sido a minha vida nestes últimos nove ou dez anos se eu tenho aceitado ajudar o juiz Carlos Alexandre, como me foi solicitado”, afirmou.

O antigo ministro não entrou em detalhes sobre o pedido, mas disse que Carlos Alexandre queria chegar à direção dos Serviços de Informação e Segurança (SIS).

Prestes a ser detido para cumprir a pena de prisão, Armando Vara fala em revolta e diz que não está “preparado para o que aí vem”.

“Eu sou inocente, mais tarde isso virá ao de cima, seguramente. Transporto comigo uma enorme revolta, que não me deixa completamente tranquilo ou preparado para o que aí vem. Mais tarde ou mais cedo, esta questão servirá de exemplo de um brutal erro judicial e eu estou preparado para continuar a lutar para que isto não aconteça a outros”, remata.

Armando Vara é também arguido na Operação Marquês, juntamente com José Sócrates, processo que está em fase de instrução.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    11 dez, 2018 évora 20:40
    O mal é estes e outros políticos sabendo da independência dos tribunais , aquando eleitos , vão buscar Magistrados do Ministério Público e Judicial para cargos de chefia nos governos . Depois , por vezes são despedidos e mais claro que a vingança serve-se muito fria um dia quem sabe .
  • 11 dez, 2018 12:49
    Se estivesses CALADO certeza ABSOLUTA que fazias melhor FIGURA. Se fosses o que dizes não ser TINHAS DENUNCIADO. Agora tudo que disseres apenas e SÓ cheira a MOFO. Pelo simples facto de não TERES DENUNCIADO e pelos cargos que ocupas-te devias ser CASTIGADO em DOBRO. Sabes porquê. Vê como um DELES deve o que deve e quem está a pagar, para além de mim, são MUITOS que trabalham de sol a sol nas Terras que bem conheces, se é que ainda CONHECES, e têm as mãos calejadas e a cara cheia de rugas, não do PRAZER, mas do FRIO e do SOL ESCALDANTE. A política se fosse POLITICAMENTE CORRETA este País era MAGNÍFICO, ASSIM é o que é.
  • João Lopes
    11 dez, 2018 Viseu 10:07
    Arthur Schopenhauer (1788-1860) escreveu: «A riqueza influencia-nos como a água salgada. Quanto mais bebemos, mais sede temos». E Agostinho de Hipona (354-430): «Um Estado que não se regesse segundo a justiça reduzir-se-ia a um grande bando de ladrões»…