A+ / A-

Prestes a ser preso, ​Armando Vara acusa juiz Carlos Alexandre de "vingança"

11 dez, 2018 - 01:10

Antigo ministro considera que foi alvo de um “brutal erro judicial”.
A+ / A-

Veja também:


O antigo ministro Armando Vara, que pode começar a cumprir pena de prisão a qualquer momento, acusa o juiz Carlos Alexandre de “perseguição” e “vingança”.

Em entrevista à TVI, Armado Vara argumenta que está a ser vítima de um “brutal erro judicial”, ao ser condenado a cinco anos de prisão efetiva no processo Face Oculta.

“Isto foi desde o princípio, do ponto de vista do Ministério Público, uma perseguição, a que se juntou o juiz Carlos Alexandre”, acusa o antigo ministro socialista.

O ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos e ex-vice-presidente do BCP considera que Carlos Alexandre foi movido por "vingança".

“Estou convencido que a maneira como chamou a si os dois processos, Marquês e Vistos Gold, tem a ver com essa lógica de vingança”, frisou.

Nesta entrevista à TVI, Armando Vara levanta suspeitas e fala num pedido para ajudar Carlos Alexandre.

“Pergunto-me a mim mesmo, como teria sido a minha vida nestes últimos nove ou dez anos se eu tenho aceitado ajudar o juiz Carlos Alexandre, como me foi solicitado”, afirmou.

O antigo ministro não entrou em detalhes sobre o pedido, mas disse que Carlos Alexandre queria chegar à direção dos Serviços de Informação e Segurança (SIS).

Prestes a ser detido para cumprir a pena de prisão, Armando Vara fala em revolta e diz que não está “preparado para o que aí vem”.

“Eu sou inocente, mais tarde isso virá ao de cima, seguramente. Transporto comigo uma enorme revolta, que não me deixa completamente tranquilo ou preparado para o que aí vem. Mais tarde ou mais cedo, esta questão servirá de exemplo de um brutal erro judicial e eu estou preparado para continuar a lutar para que isto não aconteça a outros”, remata.

Armando Vara é também arguido na Operação Marquês, juntamente com José Sócrates, processo que está em fase de instrução.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    11 dez, 2018 évora 20:40
    O mal é estes e outros políticos sabendo da independência dos tribunais , aquando eleitos , vão buscar Magistrados do Ministério Público e Judicial para cargos de chefia nos governos . Depois , por vezes são despedidos e mais claro que a vingança serve-se muito fria um dia quem sabe .
  • 11 dez, 2018 12:49
    Se estivesses CALADO certeza ABSOLUTA que fazias melhor FIGURA. Se fosses o que dizes não ser TINHAS DENUNCIADO. Agora tudo que disseres apenas e SÓ cheira a MOFO. Pelo simples facto de não TERES DENUNCIADO e pelos cargos que ocupas-te devias ser CASTIGADO em DOBRO. Sabes porquê. Vê como um DELES deve o que deve e quem está a pagar, para além de mim, são MUITOS que trabalham de sol a sol nas Terras que bem conheces, se é que ainda CONHECES, e têm as mãos calejadas e a cara cheia de rugas, não do PRAZER, mas do FRIO e do SOL ESCALDANTE. A política se fosse POLITICAMENTE CORRETA este País era MAGNÍFICO, ASSIM é o que é.
  • João Lopes
    11 dez, 2018 Viseu 10:07
    Arthur Schopenhauer (1788-1860) escreveu: «A riqueza influencia-nos como a água salgada. Quanto mais bebemos, mais sede temos». E Agostinho de Hipona (354-430): «Um Estado que não se regesse segundo a justiça reduzir-se-ia a um grande bando de ladrões»…