A+ / A-

Batalha campal em Paris. Mais de 50 feridos e mil detidos

08 dez, 2018 - 16:30 • Ricardo Vieira, com agências

França vive mais uma jornada de protesto dos coletes amarelos.
A+ / A-
Alta tensão em França. Mais de 200 detidos em dia de nova manifestação
As imagens da manifestação que está a parar as ruas de Paris este sábado

Pelo menos 55 pessoas ficaram feridas nos confrontos deste sábado, em Paris, entre manifestantes do movimento “coletes amarelos” e as forças de segurança.

Mais de mil manifestantes foram detidos pelas autoridades nos protestos contra a degradação das condições de vida, de acordo com o mais recente balanço oficial.

Muitos já foram libertados, mas um total de 551 manifestantes continuam sob custódia policial.

Em declarações à Renascença, Fernando Oliveira Engler, um tradutor português que vive no centro de Paris, dá conta de “confrontos violentíssimos” na zona da Praça da República.

“Sabe-se que há infiltrados entre os manifestantes, apesar de a maioria dos coletes amarelos serem pacíficos, mas há alguns elementos de extrema-direita, mesmo de extrema-esquerda e ‘black blocs’, que costumamos ver nos protestos anti-globalização."

“Vi na televisão manifestantes muito bem organizados. Em menos de dois minutos destruíram uma montra da Starbucks e levaram tudo o que puderam. Não estamos a falar de ações espontâneas, são ações preparadas”, afirma Fernando Oliveira Engler.

Durante a tarde, a polícia disparou gás lacrimogénio e canhões de água para tentar travar o avanço dos manifestantes, que responderam arremessando pedras e outros objetos e erguendo barricadas.

Depois de semanas de protestos, o Governo destacou oito mil polícias para as ruas de Paris.

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, está a acompanhar o sábado de protestos em todo o país e já manteve várias reuniões com o ministro do Interior, Christophe Castaner.

Na base das manifestações dos "coletes amarelos", que já decorrem há semanas, está a subida do imposto sobre os combustíveis. A medida já foi suspensa pelo Governo, mas não está a travar os protestos em França.

"Coletes amarelos" ajoelham-se e oferecem flores a agentes, contra violência policial
"Coletes amarelos" ajoelham-se e oferecem flores a agentes, contra violência policial
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sesamo
    08 dez, 2018 lisboa 18:08
    As revoluções começam em França e expandem-se mais tarde ou cedo pela europa.Os motivos são os mesmos o assalto sistemático com impostos ,perda liberdade e pleno poderes pela propriedade privada.Este candidato do CANNARD? q destruiu FILLON vem demostrar a continuação da rapinagem sobre a classe média e restante.França está num impasse que nem novas eleições provavelmente resolverão.Uma revolução num País da EU parece impossível mas viável.A cólera saiu á rua e Macron bate e dispara sobre os franceses ,obviamente só lhe resta pedir demissão.Esta levará ao poder LE PEN??????Os heróis de dezembro de 2018 serão mais tarde relembrados como os libertadores dos impostomeros e legislomeros negativos , amigos do saque fiscal.