A+ / A-

Costa defende que só uma Europa unida pode responder aos medos dos cidadãos

08 dez, 2018 - 15:35

O primeiro-ministro português assumiu que as próximas eleições europeias "serão provavelmente as mais exigentes de sempre para os socialistas".
A+ / A-
António Costa no encerramento do Congresso do Partido Socialista Europeu (PSE), em Lisboa - Reportagem de Paula Caeiro Varela
António Costa no encerramento do Congresso do Partido Socialista Europeu (PSE), em Lisboa - Reportagem de Paula Caeiro Varela

O secretário-geral do PS considera que só com unidade europeia e não com regresso às fronteiras nacionais será possível responder aos medos dos cidadãos e antecipou que as eleições europeias "serão as mais exigentes de sempre".

A defesa de uma integração europeia com base nos valores da democracia, da tolerância, do modelo social europeu e do comércio livre regulado foi o ponto essencial do discurso de cerca de 30 minutos de António Costa no encerramento do Congresso do Partido Socialista Europeu (PSE), em Lisboa.

"Sabemos que há razões para os cidadãos terem medo relativamente àquilo que os cerca e que se lhes apresenta no futuro, mas a resposta ao medo não é fechamos as fronteiras, expulsarmos os estrangeiros, desconfiar do outro e sair da União Europeia. A resposta ao medo é termos uma União Europeia social-democrata, com os nossos valores, porque respondem às necessidades dos nossos cidadãos", contrapôs.

Na sua intervenção, o primeiro-ministro português assumiu que as próximas eleições europeias "serão provavelmente as mais exigentes de sempre para os socialistas".

"Temos de recordar os valores dos nossos pais fundadores, aqueles que reergueram uma Europa antes destruída pela guerra e sonharam a União Europeia como um passo essencial para a paz", disse.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • urbano
    08 dez, 2018 lisboa 21:26
    Será que os europeus querem um neo-comunismo proclamado por estes socialistas.A resposta está ser dada com as manifestações em FRANÇA;BELGICA;HOLANDA.Os saques da esquerda europeia saturou as populações e empurrou-as para a extrema direita e esquerda, os centros socialistas vao volatizar.