A+ / A-

EUA acusa Rússia e Síria de inventarem ataque

07 dez, 2018 - 23:35

Segundo os norte-americanos, foram as forças pró-regime provavelmente usaram gás lacrimogéneo contra civis".
A+ / A-

Os Estados Unidos acusam a Rússia e o Governo do Presidente sírio de inventarem um ataque de grupos extremistas no mês passado a noroeste de Alepo, na Síria, para usarem gás lacrimogéneo contra civis.

“O regime de Assad e a Rússia acusaram falsamente a oposição e grupos extremistas de fazerem um ataque com cloro a noroeste de Alepo. Os Estados Unidos refutam esta declaração e têm informação de que as forças pró-regime provavelmente usaram gás lacrimogéneo contra civis", assinalou o Departamento de Estado norte-americano.

Um dos porta-vozes da diplomacia norte-americana, Robert Palladino, garantiu que os governos russo e sírio estiveram envolvidos nesses incidentes com gás lacrimogéneo e considerou que os dois países "os estão a utilizar como uma oportunidade para minar a confiança no cessar-fogo em Idlib".

"Advertimos a Rússia e o regime sírio contra a manipulação e instamo-los a garantir a segurança dos inspetores imparciais e independentes para que os responsáveis possam prestar contas", acrescentou Palladino.

O governo sírio acusou os rebeldes de terem atacado com gás cloro três bairros residenciais de Alepo, no passado dia 24 de novembro.

Pelo menos 107 civis foram hospitalizados com sintomas de intoxicação, segundo fontes médicas citadas pela televisão pública e pela agência oficial, SANA.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos informou que 32 pessoas, na sua maioria crianças e mulheres, necessitaram de ajuda médica, com sintomas de falta de ar devido ao suposto ataque químico, embora não identificasse a origem desse ataque.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.