A+ / A-

Hospitais de Paris reforçam equipas para cobrir manifestações no sábado

07 dez, 2018 - 20:00

Também a polícia terá mais homens na rua, incluindo da força de intervenção.
A+ / A-

Os hospitais de Paris instalaram um dispositivo de vigilância reforçado com pessoal médico e não médico, para fazer face a eventuais casos de violência resultantes das manifestações dos "coletes amarelos" previstas para sábado na capital francesa.

De acordo com um comunicado da Assistência Pública-Hospitais de Paris (AP-HP), que integra 39 hospitais, o reforço foi feito para prevenir um possível afluxo de feridos aos serviços de urgência em resultado de eventuais incidentes nos protestos.

As equipas médicas da AP-HP foram reforçadas de forma a poderem deslocar-se aos locais onde possam ser necessárias para assistir feridos.

No entanto, o diretor da AP-HP considerou que "a violência é evitável" e apelou à calma, referindo que os feridos são muitas vezes tratados por enfermeiros e por auxiliares que ganham o mesmo que os "coletes amarelos".

A Direção-Geral da Saúde francesa garantiu que estão todos os meios de saúde públicos de prevenção, para fazer face a qualquer necessidade, incluindo os serviços regionais.

No último fim de semana deram entrada nos hospitais de Paris cerca de 162 feridos, após confrontos que ocorreram na sequência das manifestações promovidas pelos "coletes amarelos", em protesto contra a elevada carga fiscal e os baixos salários.

Também a polícia terá mais homens na rua, incluindo da força de intervenção. Estão previstos 90 mil agentes em toda a França, pelo menos oito mil em Paris.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.