A+ / A-

Viseu não ordenou nenhum sacerdote este ano, mas “nenhuma paróquia está sem padre”

07 dez, 2018 - 19:33 • Liliana Carona

Neste ano que está a terminar, a diocese de Viseu não teve uma única ordenação sacerdotal. O bispo de Viseu D. António Luciano não esconde a preocupação pela falta de sacerdotes, apesar de defender o papel dos arciprestados.
A+ / A-

A diocese de Viseu está a preparar a cerimónia de ordenação episcopal de D. Armando Domingues, que irá para bispo auxiliar do Porto, mas o bispo de Viseu, D. António Luciano não esconde que gostaria de ter ordenado pelo menos um sacerdote este ano, a juntar-se a uma ordenação diaconal e outra episcopal que vão decorrer este mês.

Contudo, o bispo de Viseu garante que nenhuma paróquia fica sem sacerdote. “Nenhuma paróquia está sem padre, se não tivesse padre nomeado, há o bispo que é o padre de todas as paróquias”, afirma.

“Quando um padre deixa uma paróquia, ela não fica vaga porque o arcipreste assume essa responsabilidade, agora claro que num futuro será difícil responder nos moldes em que estamos a responder. Por isso é que o sínodo reestruturou de modo particular a diocese em seis arciprestados, para organizar a diocese”, esclarece o prelado.

Com 208 paróquias, 120 padres que não chegam por exemplo para Chãs de Tavares, no concelho de Mangualde que aguarda a chegada de um novo sacerdote.

D. António Luciano agradeceu ainda a disponibilidade do bispo emérito de Viseu. “Queremos agradecer ao D. Ilídio Leandro por ele se ter disponibilizado a servir o povo de Deus, ele está a servir em várias paróquias, que é muito mais do que uma paróquia”, sublinha.

O bispo de Viseu quis, no entanto, realçar que o momento é de festa na diocese de Viseu com a ordenação episcopal de D. Armando Esteves Domingues, que era o Vigário Geral da Diocese de Viseu. Foi nomeado pelo Papa para bispo auxiliar da diocese do Porto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.