A+ / A-

Guardas prisionais prolongam greve até dia 27 de dezembro

07 dez, 2018 - 13:58

A decisão foi anunciada pelo presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional.
A+ / A-

Os guardas prisionais decidiram prolongar a greve até dia 27 como forma de pressão para exigir a revisão do estatuto profissional.

A decisão foi anunciada pelo presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional na manhã desta xexta-feira esta manhã, no final da vigília de 16 horas em frente ao Palácio de Belém.

Um protesto que terminou com uma novidade: os guardas prisionais vão ser recebidos pelo presidente da república na segunda-feira.

Jorge Alves, presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP), fala por isso numa sensação de alívio e dever cumprido.

Na quinta-feira, Jorge Alves adiantou que adesão no primeiro dia de greve foi de 80%, tendo afetado as visitas aos reclusos e as saídas para tribunal.

O sindicalista garantiu que, para este primeiro período de greve, estão asseguradas as visitas aos fins-de-semana, não estando ainda definidos os serviços mínimos para as paralisações.

A greve dos guardas prisionais foi considerada uma das razões para o motim na Ala B do Estabelecimento Prisional de Lisboa (EPL).

O presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) rejeitou, no entanto, responsabilidades.

"A Direção-geral [de Reinserção e Serviços Prisionais] está a aproveitar a situação para atirar a responsabilidade para cima do sindicato e do corpo da guarda prisional, o que é lamentável. Não reconhece que o novo horário criou muitos constrangimentos aos visitantes e aos reclusos visitados", disse Jorge Alves.

Ainda esta semana, cerca de 400 reclusos, das alas A e B da prisão de Custóias, no Porto, mais de metade da população prisional daquele estabelecimento, recusarem almoçar, levando os guardas a usar balas de borracha para os controlar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.