A+ / A-
Visto de Fora

“Coletes amarelos”. O que se passa no teu país, Olivier?

07 dez, 2018 - 12:48

Begoña Iñiguez e Olivier Bonamici analisam os principais temas desta semana.
A+ / A-
Visto de Fora - O país visto por dois jornalistas estrangeiros a viver em Portugal - 07/12/2018
Visto de Fora - O país visto por dois jornalistas estrangeiros a viver em Portugal - 07/12/2018

Numa altura em que os chamados “coletes amarelos” desafiam o Governo de Macron, Olivier Bonamici e Begoña Iñiguez analisam o que se passa em França. O comentador francês olha para as novas vagas de contestação e explica que, na sua essência sente que a França "é um Estado soialista" e Macron está a pagar por isso. Macron, na sua opinião, foi eleito mais pelos "anti-Marine Le Pen" do que pelos liberais que seriam o seu eleitorado natural, porque "os franceses são sobretudo anti-liberais". Diz Olivier que há um "paradoxo de Macron, em que foi eleito com ideias convictas ligadas ao liberalismo, mas os franceses querem mais Estado social e mais protecção social".

Os comentadores do “Visto de Fora” olham também para a chegada da extrema-direita ao Parlamento da Andaluzia, que deixou em choque a política espanhola. Begoña Iñiguez explica que "a vitória do PSOE é muito pobre, porque apesar de ter ganho, teve os piores resultados do partido na Andaluzia em 40 anos de autonomia e, além de tudo isso, entrou pela primeira vez um grupo de extrema-direita, o Vox, que não tinha qualquer representatividade em qualquer orgão político espanhol. Teve 400 mil votos, são 11% dos votos, e isso vai fazer com que mude tudo na Andaluzia". Para Olivier, "há uma grande habilidade deste tipo de partidos no uso das redes sociais e é preciso ter isso em atenção no futuro próximo". Begoña explica que em Espanha se está a analisar "quem são afinal os votantes do Vox?". E os analistas tentam perceber quem são os descontentes que votam nestes movimentos. Na Andaluzia é estranho este resultado, afirma, "porque há regiões como o País Basco, a Catalunha ou até a Galiza, em que as pessoas se sentem mais bascas, catalãs ou galegas do que espanholas, mas na Andaluzaia não é nada disto que se passa e os andaluzes sentem-se efectivamente espanhóis... daí ser ainda mais estranho este resultado".

Na edição desta semana, os dois correspondentes em Portugal comentam também a visita do presidente da China a Lisboa, a greve dos enfermeiros e a revolta nas cadeias.

Olivier e Begoña explicam ainda o segredo do sucesso do turismo português, dias depois da chuva de prémios conquistados por Portugal nos chamados “Óscares do Turismo”.

Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Rui Sans Culotterie
    09 dez, 2018 Porto 18:49
    Porque é que o tipo mais espirituoso, mais divertido e mais 'montypythoniano' da comunicação em Portugal - o burgomestre monegasco - Olivier Bonamici está tão sisudo na foto ?????? Porque a coisa passou dos 'sans-culottes' para os 'gilet-jaunes' ???? "BRAVE GENS! ENRAGEZ-VOUS !!!!!!"