A+ / A-

Vinham do Leste para trabalhar no Alentejo e ficavam sem documentos e dinheiro

07 dez, 2018 - 11:53 • João Carlos Malta

PJ detém homem de 40 anos suspeito de montar uma rede de tráfico de seres humanos.
A+ / A-

Os anúncios na Internet prometiam emprego na agricultura no Baixo Alentejo. Os destinatários eram trabalhadores do Leste da Europa. O que parecia ser um passo para uma vida melhor tornava-se num pesadelo a milhares de quilómetros de casa.

Quando chegavam a Portugal, estes imigrantes ficavam privados da documentação e de remuneração. “Sofriam ainda ameaças e viviam em condições desumanas de habitabilidade, bem como alimentação deficiente”, escreve a Polícia Judiciária em comunicado.

A Polícia Judiciária deteve o responsável por esta rede de tráfico de seres humanos depois do juiz de Instrução Criminal de Cuba ter emitido um mandato de detenção.

Segundo o comunicado da PJ, foram reunidos indícios sobre atividade suspeita, associada à angariação de mão-de-obra no Leste da Europa e exploração laboral, “na sequência dos quais foi desenvolvida uma investigação pelo crime de tráfico de pessoa na região do Alentejo”.

Esta semana, um relatório divulgado pela Comissão Europeia revela que 20.532 pessoas (entre as quais mulheres e crianças) foram registadas como vítimas de tráfico na UE em 2015-2016.

O número poderá, contudo, ser maior, uma vez que muitas vítimas não são identificadas.

A realização de buscas permitiu apreender diversa documentação associada a fluxos financeiros provenientes da atividade criminosa. Além da detenção do suspeito, foi constituída arguida uma mulher estrangeira e ainda uma empresa.

“As vítimas, homens e mulheres estrangeiros, respondiam a propostas de emprego para execução de trabalho agrícola na região do Baixo Alentejo, através da Internet. Uma vez em Portugal, ficavam privadas de documentação de identificação e de remuneração”, escreve a Judiciária.

O detido, de 40 anos de idade, foi presente a primeiro interrogatório judicial, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação de apresentações bissemanais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.