A+ / A-

Papa publica nova lei para simplificar e promover transparência no Vaticano

07 dez, 2018 - 07:33 • Agência Ecclesia

O nova reforma legislativa entra em vigor a 7 de junho de 2019.
A+ / A-

O Papa Francisco aprovou a nova lei que reorganiza a estrutura do Governo do Estado da Cidade do Vaticano, visando mais transparência e simplicidade na instituição.

O novo ordenamento jurídico entra em vigor a 7 de junho de 2019, substituindo a legislação que tinha aprovada por João Paulo II no ano 2000.

Francisco explica que, desde o início do seu pontificado (março de 2013) sentiu a necessidade de uma “reorganização geral” do Governo do Estado da Cidade do Vaticano para melhor responder “às exigências atuais” e continuar a garantir “independência absoluta e visível” da atividade da Santa Sé e do Papa, no plano internacional.

A reforma legislativa, pode ler-se no decreto pontifício (Motu Proprio), procura racionalizar, economizar e simplificar as estruturas existente seguindo os critérios da “funcionalidade, transparência, coerência normativa e flexibilidade organizativa”.

O Papa determina a redução dos organismos atualmente em funcionamento, passando de nove para 7sete direções e de cinco para dois organismos centrais (Departamento de Pessoal e Departamento Jurídico).

Para assegurar uma maior transparência, Francisco determinou a instituição de uma “Unidade de Controlo e Inspeção” no âmbito do Governatorado.

A nova lei responsabiliza os titulares das Direções e dos Departamentos pelos resultados alcançados face aos objetivos atribuídos, pela segurança dos locais de trabalho e pela proteção dos dados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.