A+ / A-

Aquarius forçado a terminar salvamento de migrantes

06 dez, 2018 - 22:00 • João Carlos Malta

Médicos Sem Fronteiras acusam as autoridades europeias de sabotar ativamente as tentativas de salvar vidas.
A+ / A-

A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) e o parceiro SOS Mediterranee foram forçados a encerrar as operações da embarcação de busca e salvamento Aquarius, anunciou o MSF em conferência de imprensa.

O fim forçado das operações do Aquarius acontece num momento em que se estima que 2.133 pessoas perderam a vida no Mediterrâneo em 2018. Os migrantes vindos da Líbia representam a esmagadora maioria das mortes.

Nos últimos dois meses, segundo a organização, “as pessoas continuam a fugir pelo mar ao longo da rota de migração mais letal do mundo”, e o Aquário permaneceu no porto, "incapaz de realizar trabalho humanitário".

A mesma associação critica a política europeia para a migração, com destaque para a pressão do governo italiano.

“Sem solução imediata para esses ataques, o MSF e o SOS Mediterranee não têm outra escolha senão terminar as operações do Aquarius”.

“Este é um dia negro”, diz Nelke Manders, diretor-geral de MSF. “A Europa não só não forneceu capacidade de busca e resgate, mas também sabotou ativamente as tentativas de salvar vidas”, acrescentou.

“O fim do Aquarius significa mais mortes no mar e mais mortes desnecessárias que não serão testemunhadas”, salienta Manders.

Segundo o comunicado, nos últimos 18 meses, os ataques dos estados da UE ao apoio humanitário e às operações de resgate “foram baseados nas táticas usadas em alguns dos estados mais repressivos do mundo”.

A MSF diz que apesar de trabalhar em total conformidade com as autoridades, a Aquarius ficou “duas vezes sem os documentos que lhe pertencem”, e agora enfrenta alegações de atividade criminosa.

O último período ativo de busca e salvamento de Aquarius terminou em 4 de outubro de 2018, quando chegou ao porto de Marselha, após o resgate de 58 pessoas.

Juntamente com os navios de busca e salvamento anteriores da MSF - o Bourbon Argos, Dignity, Prudence e Phoenix – foram resgatadas mais de 80.000 pessoas no Mar Mediterrâneo desde 2015.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Santos
    06 dez, 2018 Do Mundo dos Vivos 22:21
    Mas também acabam com o tráfico humano que dá muito dinheiro a ganhar a alguém. A principio vinham mulheres e crianças, à bem pouco tempo a maioria são jovens que estão a entrar na união europeia, que vêm muitos de países que nem em guerra estão, somente para curtir a Europa.