A+ / A-

Novo caso ​Facebook. Pode ser “mais grave” que o escândalo Cambridge Analytica

05 dez, 2018 - 21:52

A possibilidade é admitida pelo eurodeputado Carlos Coelho, que já questionou a Comissão Europeia sobre dados passados pelo Facebook a empresas.
A+ / A-

Veja também:


O novo caso a envolver dados de utilizadores do Facebook é grave e pode representar uma violação grosseira do regulamento geral de proteção de dados da União Europeia, afirma o eurodeputado português Carlos Coelho.

De acordo com uma investigação do Parlamento britânico, o Facebook forneceu dados de utilizadores a algumas grandes empresas, como a Airbnb e a Netflix, pelo menos entre 2012 e 2015, numa altura em que o acesso a esses mesmos dados já era vedado para a maioria das organizações.

Em declarações à Renascença, Carlos Coelho diz já ter questionado a Comissão Europeia sobre um caso grave, que merece análise cuidada

“Eu ainda não sei se se trata de um acidente ou de uma operação comercial, isto é, se o Facebook vendeu bases de dados em violação da lei. Em qualquer circunstância é grave. Já dirigi à Comissão Europeia uma pergunta para saber o que tem a dizer sobre esta matéria e, se se confirmar que se trata – como parece - de uma violação grosseira do regulamento geral de proteção de dados da União, o que é que a Comissão Europeia pretende fazer, designadamente acionando os poderes que tem de multar as companhias que violam a lei europeia.”

Na leitura do eurodeputado do PSD, este novo caso pode ser mais grave do que o escândalo Cambridge Analytica, que também envolveu dados de utilizadores da maior rede social do mundo.

“Talvez mais grave, porque no caso Cambridge Analytica, supostamente, terá sido a cedência irregular de informação para um projeto académico que depois, afinal, tinha um interesse comercial. Neste caso, pode-se tratar, pura e simplesmente, de uma venda de dados, o que é manifestamente mais grave do que aquilo que aconteceu com a Cambridge Analytica”, sublinha Carlos Coelho.

A investigação do Parlamento britânico revelada conversas privadas por email entre executivos da empresa, incluindo Mark Zuckerberg. Nas 250 páginas do documento são expostas essas conversas e acordos preferenciais com algumas empresas.

A Renascença também falou com a Deco. A associação de defesa do consumidor considera que o relatório revelado esta quarta-feira ajuda a fundamentar a ação judicial em que pede uma indeminização para os utilizadores do Facebook.

Rita Rodrigues, da Deco Proteste, diz que estamos perante mais um dado preocupante de violação de dados pessoais.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Civilização em perigo
    06 dez, 2018 Almada 20:43
    O que é grave é esta constante palhaçada. Em relação à violação de direitos humanos ninguém faz nada e fazem de conta que não existe e depois vêm com estas manobras de diversão. Mas o que é a violação da proteção de dados comparada com o resto? Haja respeito!