A+ / A-

​Nuno Lopes, Vera Barreto e Matamba Joaquim vencem Prémio Atores de Cinema

05 dez, 2018 - 00:56

Galardão foi atribuído pela Fundação GDA - Gestão dos Direitos dos Artistas, numa cerimónia realizada em Lisboa.
A+ / A-

Nuno Lopes, Vera Barreto e Matamba Joaquim venceram o Prémio Atores de Cinema da Fundação GDA - Gestão dos Direitos dos Artistas, numa cerimónia que decorreu no Teatro da Trindade, em Lisboa.

Na 11.ª edição do prémio, Nuno Lopes foi distinguido como Melhor Ator Principal, pelo papel que interpreta em "São Jorge", de Marco Martins, Vera Barreto recebeu o prémio de Melhor Atriz Secundária, por "Fátima", de João Canijo, e Matamba Joaquim foi distinguido como Novo Talento, pelo seu desempenho em "Comboio de Sal e Açúcar", de Licínio Azevedo.

Os vencedores recebem prémios monetários no valor de três mil euros (categoria Melhor Ator/Atriz), dois mil euros (Melhor Ator/Atriz Secundário) e mil euros (Novo Talento).

O papel de Nuno Lopes em "São Jorge", um pugilista, já lhe tinha valido outros prémios de Melhor Ator, nomeadamente na secção Horizontes do Festival de Cinema de Veneza, em Itália, no Festival de Cinema Europeu Subtitle, na Irlanda, nos Prémios Sophia da Academia Portuguesa de Cinema e nos Prémios Autores da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA).

O Prémio Atores de Cinema da GDA é um "um reconhecimento entre pares, prémios de interpretação atribuídos a atores por atores". Anualmente, um júri, composto por três atores, analisa longas-metragens portuguesas estreadas comercialmente em sala entre 01 de janeiro e 31 de dezembro, no ano anterior ao da atribuição do prémio.

Este ano, o júri, "que avalia a qualidade, excelência e mérito do trabalho de interpretação dos colegas nas obras analisadas", incluiu os atores Adriano Luz, Catarina Wallenstein e Cristina Carvalhal.

A GDA gere os direitos de propriedade intelectual de músicos, atores e bailarinos e a Fundação GDA "é o seu braço para valorizar o trabalho dos artistas e promover o seu desenvolvimento humano e cultural e a sua proteção social".

A atribuição dos prémios é "uma homenagem pública ao trabalho desses profissionais, enquadrando-se, assim, na missão assignada à Fundação GDA de valorizar, promover e conferir notoriedade ao trabalho dos artistas intérpretes na execução da sua atividade profissional".

Por isso, o Prémio de Atores de Cinema não se limita à cerimónia de entrega, incluindo, tal como aconteceu em 2017, as Jornadas para o Ator, que decorreram hoje, no Teatro da Trindade, antes da entrega das distinções.

Nesta edição, as jornadas tiveram "como foco primordial a formação de atores e o debate sobre a gestão das suas carreiras, consistindo em 'masterclasses' centradas nas diferentes vertentes do trabalho de ator, ministradas por profissionais do meio, mesas redondas, em que atores mais experientes partilharam experiências com atores jovens e estudantes e debates entre atores e realizadores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.