A+ / A-

Pergunta à vencedora da Bola de Ouro reabre debate sobre sexismo no desporto

04 dez, 2018 - 15:20

O tenista escocês Andy Murray foi um dos porta-vozes da revolta nas redes sociais, após o apresentador da gala perguntar a Ada Hegerberg se sabia fazer "twerk".
A+ / A-

Um pedido do DJ Martin Solveig, que apresentou a gala, à vencedora da Bola de Ouro feminina, a noruegesa Ada Hegerberg, reabriu o debate sobre o sexismo no desporto. Hegerberg tinha acabado de ser eleita a primeira mulher a receber o prestigioso galardão quando o músico perguntou à futebolista se sabia fazer "twerk", uma dança provocadora.

Hegerberg respondeu de imediato, com um rotundo "não", e a reação do público, nas redes sociais, também não se fez esperar. Solveig foi acusado de sexismo, baseando-se o argumento dos acusadores numa questão: o DJ faria a mesma pergunta a um homem?

Andy Murray, um dos melhores tenistas da atualidade e antigo número um do mundo, além de ativo lutador contra o sexismo no desporto, deu a resposta. "Mais um exemplo do sexismo ridículo que ainda existe no desporto. Porque é que as mulheres ainda têm de aturar isto? Que perguntas é que fizeram ao Mbappé e ao Modric [vencedores do Prémio Kopa e da Bola de Ouro masculina]? Imagino que tenha sido algo relacionado com futebol", escreveu o tenista escocês, no Instagram.

"E para quem pensa que as pessoas estão a exagerar nas suas reações e que aquilo foi só uma piada... Não foi. Estive envolvido no desporto toda a minha vida e o nível de sexismo é surreal", acrescentou Murray.


Tudo sobre a Bola de Ouro


Entretanto, Martin Solveig já pediu desculpa a Hegerberg e ao público e a jogadora do Lyon perdoou-o. O momento histórico da entrega da Bola de Ouro à primeira vencedora feminina ficou manchado, mas não estragado. A avançada de 23 anos assegurou-se disso, no seu discurso:

"Agradeço à France Football por nos deixar ter esta oportunidade de ter este prémio. É um enorme passo para o futebol feminino. Isto é tão importante para o futebol feminino. Juntos, faremos a diferença. Gostaria de deixar algumas palavras para todas as jovens raparigas em todo o mundo: por favor, acreditem em vocês mesmas."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Hipocritas
    05 dez, 2018 Mundo 18:15
    Por enquanto, ainda não somos assexuados. O sexismo é a Verdade. As tretas como esta noticia e quejandos, são hipocrisia.