A+ / A-

Quase 4.000 mortos ou desaparecidos desde 2014 ao tentar migrar para os EUA via México

04 dez, 2018 - 14:04

Cálculo da Associated Press é superior ao último balanço da ONU. Números reais podem ser ainda mais elevados.
A+ / A-

Leia mais:


Quase quatro mil pessoas morreram ou desapareceram nos últimos quatro anos a tentar migrar para os Estados Unidos através da fronteira com o México.

O número foi avançado pela Associated Press esta terça-feira, numa grande reportagem que conta algumas das histórias de cidadãos da América Latina que perderam familiares e amigos no percurso.

Os dados recolhidos pela AP contrastam com o último balanço da ONU sobre migrantes que morreram ou desapareceram na rota México-EUA; nesse balanço, as Nações Unidas referiram que quase 2.500 migrantes e requerentes de asilo perderam a vida nestas circunstâncias.

Desespero de mãe hondurenha na fronteira do México entre as fotos do ano
Desespero de mãe hondurenha na fronteira do México entre as fotos do ano

No artigo, a agência de notícias fala num "balanço escondido de migração para os EUA através do México", apontando que, "só nos últimos quatro anos, quase 4.000 migrantes morreram ou desapareceram ao longo da rota" que os leva de países do sul do continente americano para os Estados Unidos. "A Associated Press apurou um balanço exclusivo que é superior ao anterior, calculado pela ONU, em 1.573."

A agência refere ainda que até o seu próprio cálculo pode ser uma estimativa conservadora, referindo "os corpos que podem ter ficado abandonados no deserto e as famílias que não denunciaram o desaparecimento dos seus entes queridos que estavam a migrar ilegalmente".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.