A+ / A-
Cristiano Ronaldo

"Caso Mayorga influenciou a escolha da Bola de Ouro"

03 dez, 2018 - 22:40 • Eduardo Soares da Silva

Em declarações a Bola Branca, Leonel Pontes, antigo treinador adjunto da Seleção, acredita que Ronaldo seria o justo vencedor do prémio e que Messi deveria ter terminado no pódio. O atual técnico do Jumilla diz ainda que Mbappé e Griezmann teriam maiores motivos que Modric para vencer o galardão.
A+ / A-

Leonel Pontes não compreende a nomeação de Luka Modric como vencedor da Bola de Ouro e acredita que as suspeitas do "Caso Mayorga" afastaram a possibilidade de Cristiano Ronaldo levantar o galardão pela sexta ocasião.

Em declarações à Renascença, o atual técnico do Jumilla e antigo treinador adjunto da Seleção Nacional lamenta que "questões extra-futebol" relacionadas com suspeitas de violação tenham influenciado um prémio desportivo.

"É lamentável como se penaliza um jogador que, do ponto de vista desportivo, foi tão bom, por uma polémica despoletada pelos órgãos de informação. Existiu um conjunto de acontecimentos da sua vida privada e que influenciaram a escolha da Bola de Ouro", argumenta.

O atual treinador do emblema espanhol olha para o segundo lugar de Ronaldo e o quinto posto de Messi como uma grande injustiça: "É impossível isto ser um resultado justo. O Modric fez um bom Mundial e teve uma participação ativa no segundo lugar, mas há dois jogadores que a nível de performance e golos são decisivos, Cristiano Ronaldo e Messi".

"O Ronaldo foi sempre decisivo no Real Madrid, na Liga dos Campeões e no campeonato, acho que é uma nomeação muito injusta. O Ronaldo e Messi são dois jogadores diferenciados, e ainda não há nenhum jogador que se aproxime. Alguns vão-se aproximando, mas faz-me confusão o Messi não estar nos três primeiros", adiciona.


Mais sobre a Bola de Ouro


Iniesta em 2010 na memória

Leonel Pontes recorda outro caso de um campeão mundial que teria uma candidatura mais forte à Bola de Ouro do que Modric mas não venceu. "Lembro-me do Mundial 2010. A Espanha foi campeã e o Iniesta tinha sido preponderante na seleção e no Barcelona. Não venceu o prémio e talvez tivesse todos os atributos para vencer", relembra.

Questionado sobre se o Mundial terá demasiado peso nas contas para a Bola de Ouro, Leonel Pontes analisa também a performance de CR7 na prova.

"O Cristiano Ronaldo também foi decisivo nos jogos em que participou, fez quatro golos. O facto da Croácia ter ido à final permitiu que os votos fossem para o Modric, mas continuo a dizer que o Cristiano Ronaldo é dos melhores do mundo desta forma, assim como o Messi", afirma.

O antigo adjunto da equipa das quinas vai mais longe e afirma que os campeões mundiais Antoine Griezmann e Kylian Mbappé, terceiro e quarto classificados, respetivamente, teriam mais pergaminhos para vencer a Bola de Ouro.

"Até faria mais sentido se o critério fosse o Mundial, seria mais verdadeira a decisão vencer o Griezmann ou o Mbappé. Mas continuo a dizer, e não estou a puxar a brasa à minha sardinha, o Ronaldo e o Messi mereciam estar à frente", remata.


Mais sobre a Bola de Ouro


O que sobra "no tanque" de Cristiano Ronaldo?

Aos 33 anos, CR7 continua em grande forma ao serviço da Juventus. Leonel Pontes admite dificuldade em perspetivar o futuro de Cristiano, mas encara o curto-prazo com otimismo: "Olhando para a carreira e para o cuidado que tem tido, pode continuar a lutar pela Bola de Ouro. Está num clube que quer vencer a Champions, tem agora os adeptos do lado dele, e uma equipa que mudou com a sua presença".

Pontes encara a presença no Euro 2020 como "praticamente garantida" mas, a partir daí, "é difícil prever".

"Não tem estado presente, mas deve estar no Europeu 2020, mas é difícil perspetiva o Mundial 2020. Dependerá do seu rendimento no clube, mas se continuar com a este rendimento, e com a gestão cuidada que Allegri tem tido com ele, pode chegar ao EURO e voltou a ser eleito como um dos melhores do mundo", conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.