A+ / A-

PSOE vence mas não terá com quem governar. Extrema-direita já chegou ao parlamento da Andaluzia

02 dez, 2018 - 22:39

O PSOE foi o partido mais votado, mas com os piores resultados da sua história, nas eleições deste domingo na região espanhola da Andaluzia. As eleições ficaram também marcadas pela chegada da extrema-direita ao parlamento regional.​
A+ / A-

Os partidos tradicionais espanhóis são os grandes derrotados da consulta deste domingo, quando estão escrutinados 98% dos votos, com o PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol) a passar de 47 deputados regionais (num total de 109) para 33, enquanto o Partido Popular (PP) passa de 33 para 26.

O PSOE foi o mais votado, mas não vai ser fácil encontrar um parceiro para governar, depois de todas as forças políticas terem, durante a campanha eleitoral, recusado apoiar um executivo regional liderado pela socialista Susana Díaz, atual presidente.

O PP também foi muito penalizado, mas tem a "consolação" de se ter aguentado na segunda posição, não tendo sido ultrapassado pelo Cidadãos (direita liberal), que traçou esse cenário como o seu objetivo principal. Mesmo assim, o Cidadãos foi o partido que mais subiu, passando de nove deputados regionais para 21, mantendo intacta a sua pretensão de vir a liderar a direita espanhola.

As eleições marcam a entrada fulgurante da extrema-direita (que desde 1982 não tinha expressão eleitoral em Espanha) no parlamento regional através do Vox, que consegue 12 deputados regionais, um resultado inesperado.

Um vídeo divulgado antes das eleições, com o título "Andaluzia pela Espanha", que se tornou viral na internet, mostra o líder do Vox, Santiago de Abascal, a cavalgar com um grupo de outros membros do partido, numa referência à "Reconquista" espanhola nos séculos XIII-XV dos territórios muçulmanos, que agora seria feita a partir desta região para o norte.

A líder regional e candidata do PSOE, Susana Díaz, justificou, em setembro passado, a decisão de antecipar a ida às urnas com a falta de estabilidade do seu executivo, depois de o Cidadãos ter retirado o apoio que há três anos garantia aos socialistas, acusando-os de "não cumprirem as medidas negociadas de regeneração democrática".

O PSOE governa a maior e mais populosa das comunidades Autónomas espanholas desde 1982. As eleições andaluzas são um teste importante para o Governo minoritário socialista, que chegou ao poder há seis meses, e também para as forças de direita, a alguns meses das eleições autárquicas, autonómicas e europeias de maio próximo.

O executivo nacional, liderado por Pedro Sánchez, tem tido dificuldade em aprovar as suas políticas em Madrid e esperava ter agora um bom indicador de apoio popular.
A Comunidade Autónoma da Andaluzia, com mais de 87 mil quilómetros quadrados, é a segunda maior de Espanha (a primeira é Castela e Leão) e tem quase o tamanho de Portugal (92 mil). Por outro lado, é a mais populosa região de Espanha, com mais de oito milhões de habitantes, fazendo fronteira com os distritos portugueses de Beja e Faro.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.