A+ / A-

É preciso construir uma Igreja “mais inclusiva”. É “abrir o coração e acolher”

02 dez, 2018 - 10:31 • Ana Lisboa

“Temos muitas Igrejas onde as pessoas com dificuldade de locomoção não entram”, diz Isabel do Vale, do Serviço Pastoral às Pessoas com Deficiência. O Dia Internacional dos Deficientes assinala-se na segunda-feira, mas este domingo há missa no Estoril.
A+ / A-

O Serviço Pastoral a Pessoas com Deficiência desafia as comunidades católicas a construir uma Igreja “mais inclusiva”, com lugar para todos.

O desafio é lançado na mensagem para o Dia Internacional dos Deficientes, que começa por saudar as pessoas com deficiência – “um sexto da população portuguesa”.

Evoca ainda o tema escolhido pela ONU para a celebração desta data: “Capacitação/empoderamento das pessoas com deficiência e assegurar a sua inclusão e igualdade”.

Isabel do Vale, responsável daquele organismo da Conferência Episcopal Portuguesa, diz que “desejamos ser uma Igreja de todos e com todos. Uma Igreja que acolha a todos como irmãos, cada vez mais inclusiva, que derrube barreiras físicas e psíquicas, que esteja atenta para ouvir cada um na sua singularidade. Desejamos ser uma Igreja que permaneça companheira, pela vida fora, no calor da amizade e do abraço inclusivo”.

Em seu entender, esta “é uma mensagem de abraço, é sobretudo abrir o coração e acolher. É uma mensagem que é uma conversão da Igreja às pessoas com deficiência. Não é fácil. É um caminho a trilhar, é um caminho a abrir e é um caminho que se vai fazendo de forma desigual no país. Mas queremos de facto ser inclusivos”.

A mesma responsável explica que o Serviço Pastoral tem um projeto “que é identificar as Igrejas acessíveis”.

“Temos muitas Igrejas onde as pessoas com dificuldade de locomoção não entram ou podem entrar ao colo de outras que as levem. E depois há outras formas de acessibilidade que é também a comunicação. A comunicação também deve ser inclusiva. E vamos tendo, aos poucos no país, missas com interpretação em Língua gestual portuguesa”, indica.

Apesar de haver exemplos de boas práticas em algumas dioceses, ainda “há muito a fazer” em prol da inclusão das pessoas com deficiência, reconhece o Serviço Pastoral que deseja que a Igreja seja “de todos e com todos”.

E para assinalar o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, na segunda-feira, dia 3 de dezembro, está prevista para este domingo uma missa, às 11 horas, na Igreja da Senhora da Boa Nova, no Estoril. A celebração será presidida por D. Joaquim Mendes, Bispo Auxiliar de Lisboa.

A escolha do espaço não foi feita ao acaso: é que esta Igreja é totalmente acessível para quem tem dificuldades de mobilidade. Além disso, vai ser uma missa com interpretação em língua gestual portuguesa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.