A+ / A-

Vigorexia, uma doença que atinge cada vez mais jovens

30 nov, 2018 - 11:00

À semelhança da anorexia, a vigorexia causa uma distorção da imagem corporal e pode levar à obsessão pelo aumento da massa muscular.
A+ / A-

Uma distorção da imagem corporal pode levar jovens à obsessão pelo aumento da massa muscular, ao recurso a horas de ginásio e a uma alimentação com restrições. O alerta para os casos de vigorexia é feito por um pediatra.

Pascoal Moleiro, responsável pela consulta de Medicina do Adolescente, no serviço de Pediatria do Centro Hospitalar de Leiria, admite à agência Lusa que os casos ainda são raros, mas que a doença é também desconhecida da maioria das pessoas e, que por isso, poderá chegar aos consultórios já num quadro avançado.

O pediatra alerta que a fronteira entre a doença e apenas a vontade em querer aumentar a massa muscular é ténue. “O ponto fundamental é que há distorção da sua imagem. Podem ter uma massa muscular já relativamente aumentada, mas continuam a se percecionar como tendo pouca. Nesta procura incessante de massa muscular, começam a entrar numa tentativa de fazer exercício intenso para esse efeito", explica.

Pascoal Moleiro sublinha que a vigorexia "não é um distúrbio alimentar, embora, às vezes, possa entrar no conjunto dos distúrbios alimentares, porque há algumas características que podem ser partilhadas".

"A parte comum com o distúrbio alimentar é que começam a entrar em dietas para aumentar a massa muscular, comendo mais proteína, mais arroz e deixando alguns alimentos de parte. Daí que, às vezes, se possa um pouco confundir esta entidade com os distúrbios alimentares".

As causas da vigorexia são tão variadas como na anorexia. O pediatra explica que dentro dos casos que conhece, “há alguma baixa autoestima, estão constantemente no ginásio, aproveitando todas as horas vagas e sentem-se mal quando falham um exercício”.

Revelando que ainda só diagnosticou dois casos de rapazes, Pascoal Moleiro sublinha a necessidade de advertir para esta doença. "É preciso alertar para os riscos e fazer o diagnóstico correto. O médico de família terá um papel importante na deteção e saber que existe esta entidade para ser detetada".

"Não é algo novo. Está descrito em termos de classificação médica há algum tempo, mas fala-se pouco. Como agora há estas questões da moda do ginásio e de fazer desporto, começa a existir mais foco e mais alertas para a existência destes casos", adianta o especialista.

Os riscos para a saúde podem passar por "grandes sobrecargas de exercício", que podem provocar lesões musculares e "carências" alimentares, devido a uma dieta de restrição. "Diria que um aspeto fundamental é o psicológico. Muitas vezes existe psicopatologia", como "depressão e ansiedade", o que "também pode passar despercebido".

A "obsessão" pelo exercício pode ser um dos pontos de alerta. "Por exemplo, há pessoas que podem achar que têm os lábios muito alterados e estão constantemente a fazer cirurgias e acham sempre que aquilo não está perfeito. É um pouco neste grupo de doenças que entra a vigorexia, com a imagem corporal e com os comportamentos associados a isto, claro que é obsessivo e muito focado".

Quando é diagnosticado, a intervenção é feita através de uma equipa multidisciplinar, que inclui não só um pediatra, como um pedopsiquiatra e psicólogo. "Poderá ser necessário fazer alguma psicoterapia e fazer algum suporte familiar e também dar algumas competências ao jovem para aquilo que é o seu autoconceito que está um pouco em baixo".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    30 nov, 2018 évora 13:43
    Não é isso meu caro amigo , o que provoca "adição" ao desporto é a quantidade de droga misturada em alegados suplementos alimentares muitos dos quais já foram banidos de países civilizados e continuam em venda principalmente em lojas mais que muitas via internet . A quantidade de vendas explica a quantidade de pessoas que recorrem a esses artefactos artificiais , para alegadamente complementar uma alimentação por vias das dúvidas nem é adequada ao desporto praticado . Mas esse alegados amadores , nem recorrem a um especialista de alimentação , vão aos foruns na internet e procuram subir rapidamente a condição física . Basta lembrar por vezes são apanhados desportistas profissionais com vestígios da droga porque as empresas que fabricam suplementos não tem o cuidado completo em manusear os que verdadeiramente são limpos . Todos nos ginásios sabem quais fazem "bem" , pois se nada fizerem e nada notarem é porque são os que não tem droga mistura . Muitas plantas e extratos proibidos andam lá misturadas , para aditivar o consumo e a ilusão que algo faz bem , mascarando zonas do cérebro quer para o cansaço físico quer pela dependência . Não se trata de Salbutamol que até os bebés tomam , mas derivados de efedrina e metanfetaminas ... para não falar em epo e outras agora da moda . Faz lembrar a praga dos vírus nos pc .Sempre que o doping deteta uma substancia , os laboratórios depressa modificam as moléculas , andam sempre em frente da deteção . Chama-se : Droga ! . Dá milhões !