A+ / A-

Costuma ir de carro a Madrid? Vai deixar de ser possível

30 nov, 2018 - 08:06 • Redação

A capital espanhola posiciona-se na vanguarda das cidades que lutam contra a poluição e proíbe a circulação a todos os veículos de não residentes.
A+ / A-

Madrid vai revolucionar o trânsito no centro da cidade. A partir desta sexta-feira passa a ser proibida a circulação de veículos poluentes de não residentes, uma medida que o Governo calcula que vai cortar o acesso ao centro da capital espanhola a mais de 58 mil carros por dia.

A medida é promovida pela presidente da Câmara de Madrid e defensora de cidades para as pessoas e não para os carros.

Manuela Carmena, que viaja de metro para se deslocar na capital espanhola, já tinha aplicado este ano 2.3 milhões de euros em 62 carros elétricos e cinco híbridos para utilização do município.

No centro de Madrid, numa área com 472 hectares, só podem circular residentes e transportes públicos. Os não residentes podem circular apenas para acederam a parques de estacionamento e devem ter um selo específico para essa função.

Espera-se que esta medida produza uma redução de 40% nas emissões produzidas pelos veículos a combustível.

Várias cidades da Europa também têm promovido medidas para combater a poluição e o excesso de tráfego. Londres aplicou uma taxa de circulação e todos os particulares não residentes que queiram circular na capital inglesa para no mínimo 11 euros por dia.

Oslo está a preparar uma proibição total de veículos movidos a gasóleo e gasolina para 2025. Os 610 mil habitantes da capital da Noruega vão ter transportes públicos com energias renováveis até 2020 e espera-se que em 2025 toda a frota de autocarros produza zero emissões.

Em Lisboa existe apenas restrições para carros antigos. Em 2017, o ex-vereador da Mobilidade em Lisboa Nunes da Silva, mentor das Zonas de Emissões Reduzidas (ZER), considerou a medida “uma ficção, mais do que uma realidade", devido à falta de fiscalização.

O jornal espanhol “El País” descreve a capital portuguesa como uma cidade com uma política de mobilidade que não passa por priorizar os peões. Em 2017, houve 23 dias em que foram ultrapassados os limites de poluição.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • jorge
    01 dez, 2018 abrantes 17:12
    Pois, mas para isso Masrid deveria reduzir o valor do bilhete do metro que é bem elevado e anular a taxa de entrada no aeroporto de quem sai dovmetro, que ate ha poucos anos era de 5 €! Deviria tb criar parque gratuitos na periferia da cidade! Mais uma cidade a enriquecer à custa dos nao residentes. Nao quero dizer que a medida não seja positiva, mas deviam dar alternativas justas!
  • Nene
    01 dez, 2018 lisboa 15:43
    Será despovoada de carros e deslocação de escritórios,comercio e empresas para a periferia.Madrid será no futuro uma cidade limpa e deserta,
  • Gozador
    30 nov, 2018 Porto 10:45
    E vão pôr barreiras policiais 24h/dia em cada um dos múltiplos acessos para aplicar essa medida? Ou vão chamar o Exército?