A+ / A-

Descoberto documento cristão do tempo da perseguição no Japão

29 nov, 2018 - 12:02

O Cristianismo foi proibido em 1588 mas o rolo encontrado num museu japonês deve datar de 1592.
A+ / A-

Foi descoberto no Japão um rolo com inscrições e ilustrações cristãs que data do tempo da pior perseguição religiosa naquele país.

O rolo foi encontrado no depósito do museu SawadaMiki Kinenkan, na vila de Oiso, perto de Tóquio. O museu coleciona artigos históricos cristãos.

Contendo 15 cenas alusivas à paixão, morte e ressurreição de Cristo, em que se vêem figuras trajadas com roupa tradicional japonesa, o rolo tem também orações em latim mas escritas com caracteres japoneses.

De acordo com o jornal japonês de língua inglesa “The Mainichi”, o rolo inclui a inscrição “1592 anos desde o seu nascimento”, que está a ser interpretado como sendo a data da criação do artigo e coincide com o período de pior perseguição aos cristãos no país.

O Japão foi evangelizado por jesuítas, incluindo São Francisco Xavier e vários religiosos portugueses e espanhóis, que chegaram ao país a partir de 1549. Depois de um período de grande sucesso, com centenas de milhares de conversões, o Cristianismo foi banido e todos os missionários expulsos. Os que fossem encontrados depois da data de expulsão eram torturados até renunciarem à fé, ou executados. Os japoneses que fossem encontrados a praticar o Cristianismo, ou com artigos cristãos, eram também intimados a renunciar publicamente à fé, podendo ser executados caso não aceitassem.

Nessa época de perseguição a grande maioria dos artigos cristãos foram destruídos pelas autoridades, o que faz deste rolo um artefacto bastante raro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.