A+ / A-

River – Boca. Pelo menos 29 detidos

25 nov, 2018 - 01:10

Vários jogadores foram ao hospital. Estádio foi interditado pelas autoridades, mas final da Libertadores realiza-se mesmo este domingo.
A+ / A-

Pelo menos 29 pessoas foram detidas na sequência de distúrbios em Buenos Aires a propósito da final da Taça Libertadores entre River Plate e Boca Juniors, que foi adiada para este domingo.

Segundo informaram fontes policiais à EFE, foram detidas 29 pessoas na sequência dos incidentes, que começaram quando o autocarro do Boca Juniors foi atacado a caminho do estádio Monumental, palco da segunda mão da final da 'Champions' sul-americana.

Segundo fontes da autarquia de Buenos Aires, estavam nos arredores do estádio mais de 100 mil pessoas, tendo sido detidas 29 na sequência dos incidentes, por "resistência à autoridade", sendo que os confrontos com as forças policiais ainda continuam.

O jogo, previsto para as 17h00 de sábado (20h00 em Portugal), foi, finalmente, marcado para a mesma hora deste domingo, depois de a Confederação Sul-americana de Futebol (Conmebol) ter adiado por duas vezes o seu início, primeiro por uma hora e depois por uma hora e 15 minutos.

O presidente da Confederação Sul-americana de Futebol, Alejandro Domínguez, anunciou o adiamento, dizendo que não consegue "explicar o inexplicável", depois de o avançado do Boca Carlos Tévez ter dito, antes do anúncio do adiamento para domingo, que os jogadores estavam a ser "obrigados a jogar".

Vários jogadores do Boca ficaram feridos, por serem sido atingidos por vidros ou devido ao uso de gás lacrimogéneo por parte da polícia, com o 'capitão' Pablo Pérez a ter de ser assistido no hospital, antes de regressar ao estádio, com uma pala a proteger o olho esquerdo.

O dirigente do clube de Buenos Aires César Martucci explicou que o uso do gás lacrimogéneo -- que provocou inflamações oculares em vários futebolistas - se deveu à necessidade de dispersar a multidão que acompanhava a passagem do veículo, que entrou no estádio com vários vidros partidos.

"Se, realmente, os jogadores [do Boca Juniors] não estavam em condições de jogar, o River Plate considerou conveniente apoiar o Boca, para que se possam recuperar e jogar a final em pé de igualdade", afirmou o presidente do River Plate, Rodolfo D'Onofrio.

Estádio interditado, mas recebe a final

O estádio Monumental, do River Plate, foi interditado mas a final da Libertadores vai mesmo realizar-se.

O diretor executivo do município de Buenos Aires confirmou que, apesar da interdição, o jogo poderá realizar-se.

“Se tivesse sido uma medida de segurança que necessitasse de uma solução do clube, teríamos que esperar. Mas como é excesso de capacidade e obstrução de saídas, pode solucionar-se”, explicou Ricardo Pedace.

“Apresentaram um pedido de levantamento e vai ser autorizado. De manhã faremos as inspeções respetivas às medidas de segurança correspondentes ao interior do estádio e em concordância com a segurança permitiremos o ingresso no estádio”, acrescentou.

No primeiro jogo, em casa do Boca, as duas equipas empataram a duas bolas, depois de a partida ter sido adiada um dia devido à chuva forte que alagou o relvado do estádio La Bombonera.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.