A+ / A-

Reunião da bancada parlamentar do PSD acaba aos gritos

22 nov, 2018 - 20:37 • Paula Caeiro Varela

Os relatos foram feitos por diversas fontes à Renascença. O debate aqueceu, em grande medida, por causa das medidas lançadas pela direção nacional para combater a especulação imobiliária.
A+ / A-

Desta vez não foram só os críticos da direção de Rui Rio. A reunião da bancada parlamentar do PSD desta quinta-feira acabou com gritos e deputados a falar uns por cima dos outros. Os relatos foram feitos por diversas fontes à Renascença.

O debate aqueceu, em grande medida, por causa das medidas lançadas pela direção nacional para combater a especulação imobiliária.

As críticas fizeram ouvir de deputados como Álvaro Baptista, a líder da JSD, Margarida Balseiro Lopes, ou de Ricardo Baptista Leite, que lamentou o facto desta reunião ser feita quando as propostas de alteração já foram todas entregues.

Outros deputados que criticaram a proposta da direção foram Hugo Soares, ex-líder parlamentar, Miguel Morgado, Carlos Abreu Amorim e Maria Luis Albuquerque, ex-ministra das Finanças que contestou não apenas a proposta sobre as mais-valias imobiliárias, mas também a proposta sobre a contagem do tempo de carreira dos professores.

Da parte da direção tiveram a garantia de que não haveria negociações com o Bloco de Esquerda sobre a chamada “taxa Robles”.

O próprio vice-presidente da bancada com a área do orçamento e finanças, António Leitão Amaro, disse que não assinou por essa proposta defendida por Rui Rio.

No final, o líder da bancada parlamentar, Fernando Negrão, questionado pelos jornalistas, acabou por repetir que o PSD não vai negociar com o Bloco de Esquerda e admite até que a proposta do seu partido possa vir a ser alterada.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.