A+ / A-

Justiça francesa apresenta recurso no caso da portuguesa que escondeu a filha na mala do carro

22 nov, 2018 - 11:43

Rosa Cruz foi condenada a cinco anos, com três de pena suspensa. O Ministério Público tinha pedido oito anos de prisão e agora o Procurador de Limoges anunciou a decisão de recorrer.
A+ / A-

O procurador-geral de Limoges, França, recorreu esta quinta-feira da sentença de cinco anos, com três anos de pena suspensa, aplicados a Rosa Cruz, a portuguesa que escondeu a filha na mala do carro e lhe causou danos irreversíveis de desenvolvimento.

A sentença de cinco anos, com três de pena suspensa, foi proferida na semana passada num tribunal em Correzes e o Ministério Público tinha até dia 26 para recorrer. A sentença pedida inicialmente pelo Ministério Público tinha sido de oito anos, apesar de os crimes de Rosa Cruz terem pena máxima de 20 anos de prisão.

A informação do recurso foi avançada pela France Inter e o pedido deve ser formalizado nas próximas horas. Sendo assim, Rosa Cruz voltará a ser julgada, num processo que se prevê mais longo do que o que decorreu previamente, apenas com cinco dias de julgamento.

Serena, filha de Rosa Cruz, foi encontrada, em 2013, dentro da mala de um carro quando tinha dois anos. A mãe escondeu a gravidez e a criança até esta ter sido descoberta pelo mecânico.

Rosa Cruz já mudou várias vezes a versão dos factos, mas acabou por pedir "perdão" à filha na semana passada. A menina, atualmente com sete anos, apresenta sinais de autismo profundo e défice mental de 80%.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.