A+ / A-

Só metade das pedreiras do Alentejo tem planos de recuperação ambiental

21 nov, 2018 - 16:44 • José Carlos Silva

Pedreiras estão a deixar um imenso passivo ambiental no país, com buracos abertos no solo, algumas ao abandono. Só 30% estão sob exploração.
A+ / A-

Como o algodão, os números não enganam. Das 347 pedreiras licenciadas no Alentejo, cerca de metade não têm plano ambiental e de recuperação paisagística, que é obrigatório. E das que cumprem este requisito, apenas algumas dezenas estão a pagar uma caução para revitalização ambiental.

Os números são da Direção-Geral de Energia e Geologia, que apontam ainda que apenas 30% das pedreiras estão sob exploração. Dados que espelham uma "situação dramática", nas palavras de Francisco Ferreira, da associação ambientalista Zero.

À Renascença, o ambientalista lembra que a lei é clara e que obriga a que haja planos de recuperação ambiental. "Mas são poucas as pedreiras que têm planos de recuperação ambiental e menos ainda as que cumprem com a garantia de que haverá dinheiro no futuro para essa tarefa", destaca.

Questionado sobre o que está a falhar, Francisco Ferreira aponta o dedo ao incumprimento da legislação.

"A legislação que nós temos é perfeita, se for efetivamente cumprida", sublinha. "Temos um modelo que, de uma forma geral, está correto. Nós temos a avaliação de impacto ambiental num conjunto de casos; temos a ligação entre a exploração e o plano ambiental que tem de ser aprovado e que tem de ser seguido. Portanto o problema, mais uma vez, está na implementação."

Ainda na opinião do ambientalista, no contexto da tragédia de segunda-feira em que pelo menos duas pessoas morreram numa derrocada numa pedreira em Borba, "há um conjunto de aspetos que, se fossem cumpridos, resolveriam grande parte dos problemas".

O problema, aponta Francisco Ferreira, "é que na prática, efetivamente, estamos longe daquilo que está no papel".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    21 nov, 2018 évora 21:02
    A pedreira estava desativada sem autorização para entrarem , fechada . Como estava uma retro escavadora a esburacar nesse sítio , procurado ouro ? Investiguem ... para mais uma conduta de água potável rota precipita a lavagem da terra na zona e abatimento do piso ... Investiguem .