|
A+ / A-

Três homens desaparecidos na região de Borba podem ter sido vítimas de abate de estrada

20 nov, 2018 - 12:35

Dois homens de Bencatel e um idoso de Alandroal deslocaram-se à zona do incidente na segunda-feira. GNR está a investigar.

A+ / A-

Dois homens residentes em Bencatel, concelho de Vila Viçosa, estão dados como desaparecidos desde segunda-feira, podendo terem sido vítimas do deslizamento de terras para uma pedreira em Borba, avançou esta terça-feira à agência Lusa fonte da junta de freguesia.

Uma estrada entre duas pedreiras, na zona de Borba, foi engolida na segunda-feira à tarde, provocando pelo menos dois mortos e um número indeterminado de desaparecidos. As autoridades dizem que as operações de resgate podem demorar semanas. Os perigos daquela estrada já estavam sinalizados há pelo menos dois anos.

De acordo com a fonte da junta de freguesia de Bencatel, os homens terão indicado a familiares que iriam na tarde de segunda-feira a Borba, passando pela estrada onde ocorreu o acidente.

"O condutor da carrinha de caixa aberta e de cor cinzenta, na casa dos 50 anos, terá informado a mulher de que ia durante a tarde [de segunda-feira] com o cunhado, na casa dos 30 anos, ao contabilista a Borba", relatou à Lusa a fonte.

O desaparecimento dos dois homens foi comunicado à GNR por familiares.

A par destes dois homens, há também um idoso de Alandroal cujo desaparecimento pode estar relacionado com a tragédia de segunda-feira em Borba.

Fonte da GNR de Évora disse à agência Lusa que o desaparecimento do homem de 85 anos foi comunicado ao posto na segunda-feira pela mulher, que indicou que o marido se deslocou nesse dia a Vila Viçosa no seu automóvel.

O Comando Territorial de Évora está, neste momento, a fazer averiguações no sentido de apurar a existência de outros desaparecidos, alegadamente de uma carrinha, que também terá sido arrastada para dentro da pedreira.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.