A+ / A-

"A Autoeuropa tem alternativas ao escoamento da sua produção", diz ministro

17 nov, 2018 - 13:26 • Henrique Cunha

Siza Vieira não nega que exista “um conflito laboral que tem que ter o seu desenrolar normal", mas que, contudo, "não é uma questão que diga diretamente respeito ao Governo".
A+ / A-

O Ministro da Economia, Pedro Siza Vieira diz que o Governo não se intromete no conflito laboral que opõe estivadores e porto de Setúbal, mas em declarações exclusivas à Renascença, o Ministro garante que "o sistema portuário nacional tem capacidade de assegurar que a Autoeuropa consegue exportar a sua produção".

Entretanto, Siza Vieira não nega que exista “um conflito laboral que tem que ter o seu desenrolar normal", mas que, contudo, "não é uma questão que diga diretamente respeito ao Governo".

Confrontado com a possibilidade do executivo e Autoeuropa realizarem contactos na procura de alternativas à greve no porto de Setúbal, o ministro refugia-se na questão laboral" entre entidade patronal e trabalhadores" para assegurar que " não é uma questão em que o Governo se tenha que intrometer".

Quanto à visita do Presidente Angolano a Portugal na próxima semana, o Ministro da Economia diz que "é um passo muito significativo no aprofundamento e desenvolvimento das relações entre os dois países".

Pedro Siza Vieira alega desconhecer o seu conteúdo para não comentar a entrevista de João Lourenço ao "Expresso" e em que o diz que vem a Portugal à procura de investidores e em que anuncia também que a Sonangol vai sair das empresas portuguesas.

O Ministro da Economia diz que "não conhece as intenções da Sonangol" e que, portanto, não as vai comentar.

Ainda assim Pedro Siza Vieira refere que "as relações políticas entre Portugal e Angola podem entrar numa fase excelente, mas também as relações económicas são muito importantes para os dois países".

O Ministro recorda que "Angola e Portugal são parceiros muito importantes" e diz que o nosso país "espera que Angola possa também encontrar nesta fase um novo surto de desenvolvimento", o que pode revelar-se uma "oportunidade para os profissionais portugueses em vários sectores".

Declarações do Ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira este sábado em Matosinhos, no final de uma visita à Casa da Arquitetura.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FERNANDO MACHADO
    17 nov, 2018 PORTO 16:16
    AINDA O SENHOR MINISTRO NÃO ERA NASCIDO, JÁ O POVO DIZIA : ENTRE MARIDO E MULHER, NÃO METAS A COLHER...MAS POR ESTE ANDAR, PODE HAVER O AZAR DE O PESSOAL SÓ TER COLHER, MAS FICAR SEM COMER. CONFESSO QUE, PELO QUE LEIO, ASSIM TAMBÉM EU GOVERNAVA...DE GABINETE. DIZ QUE HÁ ALTERNATIVAS, MAS NÃO DIZ QUAIS. COMO DIZ O POVO, NO SEU IMENSO SABER, O QUE É PRECISO É FUGIR COM O CU À SERINGA. VALHA-NOS UMA ALBARDA.