Tempo
|
A+ / A-

Brexit

Theresa May: "Eu escolho seguir a vontade do povo britânico"

15 nov, 2018 - 10:37

Primeira-ministra britânica defende o pré-acordo com a UE para o Brexit e rejeita um segundo referendo no país.

A+ / A-

A primeira-ministra britânica, Theresa May, defendeu esta quinta-feira o pré-acordo para o Brexit alcançado na quarta-feira com a União Europeia.

Perante o Parlamento britânico, May defendeu a ideia de que este pré-acordo permite dar ao povo britânico aquilo que escolheu no referendo de 2016, dando margem de manobra para uma transição mais "suave".

May foi imperativa na escolha que o Parlamento tem de fazer: ou há apoio a este pré-acordo ou não há uma transição para o Reino Unido pós-Brexit, disse sob fortes apupos. "Podemos escolher sair sem nenhum acordo, podemos arriscar não ter um Brexit de todo ou podemos escolher unir-nos e apoiar o melhor acordo que pode ser negociado", disse May, acrescentando: "Eu escolho seguir a vontade do povo britânico".

A primeira-ministra foi brindada com o riso dos deputados, enquanto tentava explicar os detalhes da negociação e admitiu que não foi um "processo confortável".

Falando sobre os pormenores da futura parceria com a União Europeia, Theresa May referiu que a livre circulação irá terminar, que o Reino Unido irá abandonar a política agrícola comum (PAC), bem como a política comum de pescas. Apesar de tudo, a primeira-ministra garantiu que a cooperação com a União Europeia em termos de defesa e segurança será "próxima e flexível".

A líder do Governo britânico apontou também que o atual acordo permitirá ao Reino Unido sair da União Europeia em 134 dias e disse que não queria estender o período de implementação, não acreditando que este seja necessário.

Tudo isto no mesmo dia em que cinco membros do Governo apresentaram a demissão.

May promete defender referendo e critica Governo anterior

Quanto a possibilidade de um novo referendo, a primeira-ministra voltou a colocar essa hipótese de lado, dizendo que não foi para isso que os britânicos lhe deram o mandato.

“Os britânicos votaram em números nunca antes vistos. E sempre defendi que voltar a consultar os britânicos não é correto”, argumentou.

Theresa May aproveitou a oportunidade para criticar o anterior primeiro-ministro David Cameron (membro do mesmo partido), que se demitiu logo após o resultado do referendo de 2016.

"Muitas pessoas disseram que o Brexit não era possível e eu nunca aceitei isso", atirou a primeira-ministra.

Na declaração inicial, a líder conservadora do Governo britânico disse ainda que prometeu que defenderia o referendo por todo o Reino Unido.

"Tenho uma responsabilidade com o povo em todas as partes do nosso país e tenciono honrar essa responsabilidade", prometeu.

Críticas da oposição

Também no Parlamento, o principal líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, criticou a solução da primeira-ministra, nomeadamente por o acordo não incluir uma estratégia para a imigração. Por isso, Corbyn acredita que o Parlamento não deverá aceitar a “falsa escolha” entre não ter acordo e este acordo apresentado pela primeira-ministra.

Apesar das garantias de Theresa May de que a saída do Reino Unido é para avançar, o trabalhista apontou ainda o facto de, no acordo, se escrever que a transição pode chegar a “20XX" e se isso pode, “porventura, significar 2099”.

Jeremy Corbyn lembrou ainda a onda de demissões do executivo, conhecidas esta quinta-feira, e acusou o actual executivo de estar um caos.

A questão Irlanda do Norte

A fronteira entre a Irlanda e a Irlanda do Norte – a última faz parte do Reino Unido e, por consequência, sairá da União Europeia – é um dos pontos mais sensíveis do pré-acordo. Sendo a única parte do Reino Unido com uma fronteira terrestre com a UE, May admitiu que a questão irlandesa poderá ser tratada numa "futura relação" com a comunidade europeia.

A primeira-ministra garantiu ainda que a Irlanda do Norte terá acesso ao mercado único europeu.

Sobre outros países constituintes do Reino Unido, nomeadamente o País de Gales, May defendeu que os negócios entre Gales e a Irlanda (parte da União Europeia) não sairão prejudicados.

Este ponto deixou os deputados escoceses indignados com a primeira-ministra. Ian Blackford, do Partido Nacional Escocês, questionou o porquê de existirem inúmeras referências à Irlanda do Norte, a Gibraltar e a outros territórios britânicos, mas nenhuma à Escócia.

May respondeu afirmativamente: "A Escócia faz parte do Reino Unido!". Backford acusou May de ignorar a vontade do povo escocês, já que uma grande maioria dos escoceses respondeu "não" ao Brexit no referendo.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    15 nov, 2018 18:23
    Se escolhe seguir a vontade do povo britânico, então porque é que rejeita um segundo referendo? Os ingleses tiveram o direito a decidir em 1975 e em 2016, porque não hão-de ter em 2019?

Destaques V+