A+ / A-
Sporting

"Bruno de Carvalho ordenou o rapto de Bruma", garante o empresário

15 nov, 2018 - 10:34

Cátio Baldé diz que o atual avançado do RB Leipzig foi "a primeira vítima de Bruno de Carvalho".
A+ / A-

O agente Cátio Baldé acusa Bruno de Carvalho de ter ordenado o rapto de Bruma, em 2013.

Já na altura o representante do atual jogador do RB Leipzig tinha denunciado à comunicação social a alegada tentativa de rapto, levada a cabo pela Juventude Leonina. Cinco anos depois, Cátio Baldé volta a relembrar o caso, no âmbito do envolvimento de Bruno de Carvalho no ataque a Alcochete:

"Numa noite quente de verão, Sete Rios foi invadida por um exército armado da Juve Leo com o cerco do Hotel Mercure. O Bruma estava hospedado nesse hotel discretamente, mas houve fuga de informação de onde o Bruma estava hospedado. A Juve Leo montou uma emboscada com dezenas de tropas dentro de automóveis à espera da chegada de Bruma".

Segundo a nota enviada pelo agente, os membros da claque tentaram forçar o avançado a deslocar-se a Alvalade "para falar com Bruno de Carvalho", com o objetivo de forçar o português a renovar contrato com o Sporting. Recorde-se que Bruma rescindiu unilateralmente com os leões em 2013.

"Por causa dessa situação, eu e os advogados que estavam a acompanhar o processo da rescisão, enquanto não saía a decisão, tomámos a decisão de colocar o Bruma fora de Portugal, por questão de segurança. O Bruma esteve acantonado durante três semanas no Dubai", admitiu ainda.

De acordo com Cátio Baldé, Bruno de Carvalho terá admitido o ato em conversa privada com Cátio Baldé, quando posteriormente se negociava o acordo para a transferência para o Galatasaray: "Após a decisão, que não reconheceu o pedido da rescisão, reuni com o Bruno de Carvalho e chegámos a um acordo para a transferência para o Galatasaray, da Turquia. Nessas reuniões a sós com o Bruno de Carvalho, ele confessou-me que aquela situação do hotel com adeptos era somente para assustar e falar com o Bruma".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.