A+ / A-

Ministra no Parlamento, greve nos tribunais

14 nov, 2018 - 07:04

É dia de protesto dos funcionários judiciais que reivindicam a revisão da carreira, promoções congeladas, entre outras. Também está marcada uma vigília junto à Assembleia da República.
A+ / A-

A greve geral nacional dos funcionários judiciais poderá paralisar o funcionamento dos tribunais, esta quarta-feira. O protesto começou à meia-noite e coincide a audição da ministra da Justiça no parlamento sobre a proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2019.

Os funcionários judiciais reivindicam a revisão da carreira, aprovação de um estatuto digno, promoções congeladas, falta de funcionários, vencimentos congelados há mais de 10 anos, falta de formação, trabalho muito além do horário sem compensação, entre outras.

Além da greve, está marcada uma vigília junto à Assembleia da República, às 15h00, numa altura em que a ministra Francisca Van Dunem estará a ser ouvida pelos deputados, no âmbito da apreciação na especialidade da Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2019, no que respeita ao Ministério da Justiça.

Os funcionários judiciais cumpriram já uma série de greves parciais que têm vindo a perturbar o normal funcionamento dos tribunais, incluindo julgamentos e inquirição de arguidos.

A greve nacional, convocada pelo Sindicato dos Funcionários Judiciais, abrange todas as comarcas e todos os oficiais de justiça, inclusivamente os que se encontram a desempenhar funções em comissão de serviço no Ministério da Justiça, Direção-geral da Administração da Justiça, Instituto de Gestão Financeira e das Infraestruturas da Justiça, Conselho de Oficiais de Justiça, Conselho Superior da Magistratura, Conselho Superior do Ministério Público, Procuradoria-geral da República e outros organismos do Estado.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    14 nov, 2018 Lisboa 11:06
    É por isto e por outras coisas que duvido seriamente na Maioria Absoluta do PS nas próximas legislativas. Ele é Bombeiros, ele é professores, ele é enfermeiros, ele é Juízes, ele é médicos, ele é oficiais de justiça, ele é estivadores dos Portos, ele é... Todos em greve, todos descontentes, todos receberam promessas que chegada a hora não são cumpridas, ou seja foram enganados... Mas qual Maioria Absoluta? Só se fizer como o mentor Socas, que imediatamente antes das Eleições deu tudo a toda a gente, e retirou a seguir, logo que se viu no poleiro outra vez...