|
A+ / A-

Detenção de Bruno Carvalho

Face às acusações seria “surpreendente” que não fosse pedida prisão preventiva, diz ex-ministro

12 nov, 2018 - 09:35

Rui Pereira, antigo ministro da Administração Interna, comenta à Renascença a detenção de Bruno Carvalho. O advogado do ex-presidente do Sporting queixa-se de abusos das autoridades.

A+ / A-

O antigo ministro da Administração Interna Rui Pereira considera que o mais provável é que o Ministério Público venha a pedir a prisão preventiva para Bruno de Carvalho, ex-presidente do Sporting, e Mustafá, líder da Juveleo, detidos no domingo no âmbito do caso do ataque ao centro de estágio de Alcochete.

Na Manhã da Renascença, Rui Pereira diz que seria “paradoxal e surpreendente” que a acusação não pedisse a medida de coação mais gravosa para os dois arguidos. “Porque quando o Ministério Público emite os mandados de detenção está a pressupor que se verificam os pressupostos da prisão preventiva".

"Claro que o juiz de instrução poderá aplicar ou não. Aquilo que se pode esperar é que porventura venha a aplicar a prisão preventiva, uma vez que já aplicou essa medida de coação mais severa a todos os restantes arguidos. Isso não é obrigatório, mas tendo em conta que estes dois arguidos estão indiciados como autores morais - no fundo são co-instigadores na perspetiva da acusação - tendo em conta a gravidade dos crimes, temos de novo aqui em jogo crimes de terrorismo e vários crimes nesse âmbito, tendo em conta também, eventualmente, a gravidade dos indícios, poderá vir a ser aplicada a prisão preventiva”, explica.

Num outro plano, o especialista em Direito e fundador do Observatório de Segurança e Criminalidade Organizada (OSCOT) classifica de legítimas as buscas domiciliárias noturnas à residência de Bruno de Carvalho, sublinhando que o mandado resultou necessariamente da decisão de um juiz. “Nesta situação é admissível, se estiverem em causa crimes especialmente violentos, criminalidade altamente organizada ou terrorismo”, afirma.

“Durante muitos anos, depois de ter entrado em vigor a Constituição de 1976, e depois do 25 de abril, não eram admissíveis as buscas domiciliárias noturnas. Até por causa da má fama que tinham, quando eram feitas pela polícia política, durante o período da ditadura. Foram admitidas de novo, depois da revisão constitucional de 1997 e foi de novo, também, a revisão constitucional de 2007 que as disciplinou”, lembra Rui Pereira.

O advogado de Bruno de Carvalho já deixou críticas à detenção do ex-presidente do Sporting. José Preto falou em “atuações infamantes, aviltantes e vexatórias” e condena as buscas noturnas.

Os dois novos arguidos do caso da Academia devem ser presentes ao tribunal do Barreiro no início da semana. São suspeitos de autoria moral do ataque.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    12 nov, 2018 évora 12:44
    Independente do que esteja em causa , é uma miséria hoje o que se assiste na TV da porcaria onde qualquer um incluindo pessoas que já tiveram pastas importantes na justiça ou Governos , incluindo juízes e advogados , darem constantemente cobertura no intuito de obterem para si protagonismo e pagamentos de honorários . Cultiva-se hoje por parte dessa gente empurrada por ex alegados Inspetores da Judiciária , uma prática crescente e podre com o fim de logo julgar e queimar seja quem estiver na semana eleita e escolhida pela alegada Justiça Nojenta Portuguesa , esbaforida de gente miúda acabada de desmamar em casa dos pais e sem sentido de Estado de Direito e Democrático . A bem dizer o sucesso do Ministério Público e dos Juízes de Instrução em conluio tem sido um fracasso ao longo do tempo e particularmente após o Processo da Casa Pia , parece terem descoberto uma espécie de Pré-Julgamento na Praça Pública para forçar depois o Julgamento natural a ter as mesmas conclusões . Nestes últimos tempos assiste-se constantemente a detenções e incriminações bem escolhidas a dedo , pois se os tribunais criminais estão amontoados de processos , só se fala nos jornais e tv´s de meia dúzia bem escolhida pelos comunicados da Procuradoria Geral da República , instância esta que virou um fantasma da PIDE/DGS . Só assim consegue contrarias um Estado de Direito e Democrático devido às constantes Absolvições Transitadas em Julgado . Concluindo : Quando pretendem queimar alguém bem escolhido !
  • 12 nov, 2018 12:19
    Justica a passo de caracol! Deixaram que se realiza-se novas eleicoes no sporting"agora voltaram a carga!