A+ / A-

Marcelo “falou muito de Portugal” no jantar oferecido por Macron

11 nov, 2018 - 00:22

"E falou-se muito bem e muito do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres", acrescentou.
A+ / A-

O Presidente da República diz que se falou "muito de Portugal" no jantar oferecido pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, aos dirigentes mundiais que participam nas celebrações do centenário do Armistício.

“Falou-se muito de Portugal, falou-se muito de Portugal na Europa e em África e até na ligação à América Latina", disse Marcelo aos jornalistas portugueses após o jantar.

"E falou-se muito bem e muito do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres", acrescentou.

Segundo o Presidente, o clima no jantar, realizado no Museu do Quay d'Orsay, foi de "celebrar a paz e não a guerra" e pautou-se por "uma distensão" que "não faria imaginar, entre aqueles que ali estão, muitas das posições duras que de vez em quando têm, no dia a dia".

"Hoje não havia isso e espero que amanhã também não haja", afirmou, referindo-se às cerimónias que vão assinalar os 100 anos do fim da I Guerra Mundial e ao Fórum da Paz.

Entre os presentes no jantar estava o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que já anunciou que não participa no Fórum, com quem o Presidente português disse ter tido "oportunidade de trocar algumas palavras".

Marcelo escusou-se a dizer sobre o que falaram, referindo apenas que "o clima foi tão bom como tinha sido em Washington", quando visitou a Casa Branca e se reuniu com Trump, no final de junho.

Questionado sobre se convidou Trump a visitar Portugal, o Presidente disse apenas: "Vamos ver, havemos de falar disso um dia".

Marcelo Rebelo de Sousa está em Paris para participar nas comemorações do centenário do Armistício.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • F. Almeida
    11 nov, 2018 Porto 02:04
    " Quem muito fala pouco acerta..."