A+ / A-

Jerónimo acusa PS de “encostar à direita” nos direitos dos trabalhadores

10 nov, 2018 - 01:27

Líder comunista lembra o acordo celebrado entre "os patrões e a UGT" para a revisão da lei laboral.
A+ / A-

O secretário-geral do PCP acusa o PS de "encostar à direita" e de não ser um partido de esquerda em matéria dos direitos dos trabalhadores.

“Quando se trata dos direitos dos trabalhadores, [o PS] encosta-se à direita", afirmou Jerónimo de Sousa na Covilhã, distrito de Castelo Branco, onde participou na sessão subordinada ao tema "Valorizar o trabalho e os trabalhadores - Mais força ao PCP".

Apesar de ter registado "os avanços" que foram dados nesta legislatura, Jerónimo de Sousa não poupou críticas ao PS, nomeadamente no que concerne à legislação laboral, tendo mesmo referido que, nessa matéria, o PS não é um partido de esquerda.

"A questão dos direitos dos trabalhadores sempre foi e continua a ser uma zona de fronteira entre a esquerda e a direita e, nesta matéria, podemos dizer que o PS não é de esquerda porque vota com o PSD e com o CDS. Vota com a direita para contrariar aquilo que são direitos fundamentais dos trabalhadores", reiterou.

Uma posição que fundamentou com o acordo celebrado entre "os patrões e a UGT" para a revisão da lei laboral e que foi aprovada na generalidade com a convergência de PS, PSD e CDS.

"Não desistimos de continuar a dar força à luta, que é preciso continuar e ampliar, do combate à precariedade dos setores privado e público, pela revogação das normas gravosas da legislação laboral, introduzidas pelos governos anteriores do PSD/CDS e [agora] pelo PS", prometeu.

Não obstante, ao longo da intervenção, Jerónimo de Sousa também referiu, por mais do que uma vez, que "valeu a pena" estar ao lado do PS nesta legislatura, em nome da defesa dos interesses e direitos do povo.

"Não é que nós esqueçamos a matriz ideológica do PS, o que tem sido a política dos governos do PS. Não esquecemos não, nem os trabalhadores esquecem. É verdade, mas a solução alternativa era o PSD e o CDS continuarem por mais quatro anos para acabarem com o resto, continuarem o ataque aos direitos interesses dos trabalhadores e do povo. Fizemos bem em tomar a iniciativa", declarou.

Jerónimo de Sousa também deixou o desafio para que se pense onde estaria o país agora caso tal não tivesse sido feito e enumerou algumas das conquistas obtidas na legislatura, nomeadamente aquelas que já estão inscritas na proposta de Orçamento do Estado para 2019.

Por outro lado, apontou as várias propostas que o PCP apresentou para discussão na especialidade -- e que espera ver aprovadas - nas mais diversas áreas, desde a fiscalidade à educação, passando pela ciência, cultura e educação, saúde e transportes ou energia.

Em jeito de balanço, o secretário-geral comunista adiantou que os últimos três anos provaram que "Portugal não está condenado a um caminho de liquidação de direitos ou agravamento das condições de vida", mas defendeu que é preciso ir mais longe e reiterou as críticas ao PS.

"Também está à vista que pôr o país a avançar a sério [e] dar solução aos problemas acumulados por anos e anos de política de direita não se faz com o Governo do PS, nem com a sua atual política, amarrado às opções nucleares da política de direita", acrescentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.