A+ / A-

Trump admite retirar acreditações a mais jornalistas

09 nov, 2018 - 23:01

Jim Acosta, da CNN, foi suspenso depois de uma discussão com o líder norte-americano.
A+ / A-

O Presidente dos Estados Unidos adverte que pode retirar as acreditações a mais jornalistas que cobrem a Casa Branca, depois de ter feito isso a um jornalista da CNN.

“Pode haver outros", disse Donald Trump, em declarações aos jornalistas.

Na quarta-feira, a Casa Branca anunciou que suspendeu a credencial que permitia o acesso de Jim Acosta à mansão presidencial, após o jornalista ter protagonizado vários incidentes com Trump, um dos quais nesse mesmo dia, durante uma conferência de imprensa.

Questionado sobre se tenciona devolver-lhe em breve a acreditação, Trump disse que não tomou essa decisão e criticou o jornalista.

"Creio que Jim Acosta é um homem muito pouco profissional. Pagam-lhe para isso. (...) Não creio que seja esperto, mas tem um tom de voz muito alto", disse o Presidente norte-americano.

A Casa Branca justificou a retirada de acreditação a Acosta alegando que o jornalista "pôs as mãos" numa estagiária que tentava tirar-lhe o microfone na conferência de imprensa de Trump, algo que ele negou.

Segundo peritos em edição de vídeo, a administração Trump manipulou as imagens que difundiu na internet para que o gesto de Acosta ao rejeitar dar o microfone à estagiária parecesse mais violento.

Trump também criticou April Ryan, uma correspondente da emissora afroamericana American Urban Radio e colaboradora da CNN que há 20 anos faz a cobertura da presidência dos Estados Unidos e que tem tido vários atritos com a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders.

"O mesmo se passa com April Ryan, estamos a falar de alguém que é uma perdedora, que não sabe o que está a fazer. Deram-lhe um aumento de salário e um contrato, creio que com a CNN. É repugnante", prosseguiu Trump, defendendo que há que tratar com respeito o gabinete presidencial.

O Presidente também insultou outra jornalista da CNN, Abby Phillip, quando esta lhe perguntou se tenciona exercer algum controlo sobre o procurador Robert Mueller, que investiga se houve um conluio entre a sua campanha e a Rússia nas presidenciais de 2016, ao nomear um novo procurador-geral, Matt Whitaker, que vai supervisionar o inquérito.

"Que pergunta mais estúpida. Tenho estado a vê-la e vejo que faz sempre perguntas estúpidas", respondeu Trump.

A cadeia televisiva CNN defendeu Phillip e divulgou uma nota a considerar que a jornalista tinha feito "a pergunta mais pertinente do dia" e que os insultos de Trump "nada têm de novo".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • alexandre
    11 nov, 2018 lisboa 09:30
    Vamos lá ver o PRESIDENTE foi eleito os jornalistas não.Nao têm legitimidade do povo para exercer poder e sim difundir noticias sem distorção, partidadrite ou outros interesses.